TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Entrada da AT&T na disputa por ativos do Yahoo sepulta esperanças de fundos de private equity

Postado em: 02/06/2016, às 18:59 por Redação

A entrada da AT&T na disputa pelos ativos de web do Yahoo, que incluem sua ferramenta de buscas e site de notícias, coloca pressão não apenas sobre Verizon Communications e a Quicken Loans, do bilionário Dan Gilbert, apoiada pelo megainvestidor Warren Buffett, para aumentar suas ofertas, mas também sobre os fundos de private equity, que dependem do dinheiro de terceiros ­— fundos de pensão, family offices, investidores, recursos próprios das empresas gestoras e agências de desenvolvimento e fomento etc. — para financiar aquisições.

Analistas ouvidos pela Bloomberg estimam que os ativos de web do Yahoo possam valer pelo menos US$ 4,5 bilhões. A cifra representa seis vezes o lucro ajustado da empresa, de acordo com Jason Helfstein, analista da Oppenheimer & Co.

Diante da queda na rentabilidade e na receita do Yahoo, os investidores não costumam financiar negócios que representem mais de quatro vezes o Ebitda ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da empresa, observam outros analistas. A estimativa é que o Ebitda ajustado do Yahoo fique entre US$ 700 milhões e US$ 800 milhões neste ano. Usando o ponto médio desse cálculo, isso implica em assumir uma dívida até o limite de cerca de US$ 2,5 bilhões. As aquisições são tipicamente estruturadas como dívida, em uma base de dois terços, para dar às empresas de private equity um retorno de 20% sobre o investimento, por isso qualquer fundo terá dificuldade para assumir mais de US$ 4 bilhões em dívida, mesmo contando com o apoio de coinvestidores.

"Um comprador corporativo está em uma posição mais estratégica para adquirir esse tipo de ativo", disse Helfstein. Os fundos de private equity podem competir melhor com pretendentes corporativos quando se trata de uma empresa que está crescendo. No caso do Yahoo, é um ativo cujo valor está em declínio. E os fundos não costumam comprar ativos em declínio. Para se ter uma idéia, a previsão para este ano é que o Ebitda ajustado do Yahoo fique cerca de US$ 950 milhões, o que representa uma queda de cerca de 30% na comparação com o ano anterior.

A Verizon tem US$ 5,8 bilhões em caixa e seu valor de mercado era de cerca de US$ 206 bilhões na quarta-feira, 1º, enquanto a AT&T tem US$ 10 bilhões em caixa e um valor de US$ 239 bilhões. Portanto, qualquer uma delas pode acelerar o crescimento do Yahoo através da combinação de produtos com os dispositivos e serviços que comercializam. Por exemplo, a Verizon poderia adicionar ao Yahoo o seu serviço de vídeo digital ou colocar o conteúdo do portal em um smartphone. Ambas as empresas se beneficiariam com a inclusão dos cerca de 1 bilhão de usuários do Yahoo, colocando-as entre os maiores players do mercado online no mundo.

Mesmo diante de todo esse cenário,  fundos como o TPG, Bain Capital, Vista Equity Partners, Apax Partners e outros devem continuar na disputa pelo portal, segundo pessoas com conhecimento do assunto disseram à agência de notícias. Os lances da segunda rodada da licitação serão encerrados na próxima semana e o vencedor deve ser revelado no início de julho, dissem as fontes.

Tags: , , , , , , , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top