TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Estudo da Capgemini aponta que benefícios da automação podem se perder com a baixa qualificação dos trabalhadores

Postado em: 06/12/2018, às 20:47 por Redação

Um novo relatório do Instituto de Pesquisa Capgemini revela que, na maioria das empresas (58%), a automação ainda não atende aos objetivos de aumento da produtividade desejados pelos executivos. O estudo "Upskilling your Workforce for the Age of the Machine: Why a Workforce Upskilling Strategy is Key to Unleashing Automation's Productivity Potential" (em livre tradução: "Aprimorando sua Força de Trabalho para a Era das Máquinas: Porque uma Estratégia de Aumento de Qualificação da Força de Trabalho é Fundamental para Liberar o Potencial de Produtividade da Automação") revela que, embora a automação aumente a produtividade, a chave para alcançar seu pleno potencial são os colaboradores.

A pesquisa, que é baseada em uma enquete com 800 executivos e 1,2 mil funcionários de mais de 400 grandes organizações, também sugere que empresas com uma força de trabalho de 50 mil ou mais colaboradores, avançaram na execução em grande escala de programas de qualificação e podem economizar algo como US$ 100 milhões a mais por ano do que as empresas que não têm qualificação ou que ainda precisam aprimorar seus funcionários.

Quando solicitados a nomear suas principais razões para empreender iniciativas de automação, 37% dos entrevistados disseram que era para melhorar a produtividade da força de trabalho, porém a motivação mais popular foi a melhoria da qualidade (43%).

No entanto, 58% dos executivos e 54% dos funcionários disseram que a automação ainda não melhorou a produtividade em suas companhias. Isso foi especialmente acentuado na Suécia, nos Estados Unidos e na China, onde, respectivamente, 66%, 64% e 61% dos executivos disseram que a automação falhou em melhorar a produtividade dos funcionários. Além disso, os funcionários da maioria dos países concordam com as opiniões dos executivos sobre este ponto, com exceção da Índia, China e França.

Entre as organizações que já estavam aprimorando sua força de trabalho, havia mais otimismo sobre o impacto da automação. Nesses casos, a maioria dos funcionários (52%) e uma alta proporção de executivos (46%) disseram que a automação estava melhorando a produtividade; em comparação com apenas 42% dos funcionários e 35% dos executivos, respectivamente, nas organizações que ainda não iniciaram o aprimoramento profissional completo.

Além disso, nas organizações que estão no meio do caminho de um programa de aperfeiçoamento profissional, os funcionários foram mais positivos do que os que estão na fase inicial de qualificação sobre progressão na carreira (76% versus 60%), ânimo impulsionado (48% versus 33%) ou no envolvimento com novas responsabilidades (57% a 46%).

Iniciativas de aprimoramento dos funcionários ainda precisam amadurecer
Apesar da importância evidente dos programas de qualificação avançada, poucas organizações têm uma iniciativa madura em vigor hoje. Enquanto 91% das organizações pesquisadas concluíram ou começaram a trabalhar em um currículo de treinamento, 35% ainda estão para começar a implementar infraestrutura e parcerias relevantes, 73% nem iniciaram um projeto-piloto e apenas 10% começaram um programa de qualificação em grande escala para sua força de trabalho.

Os funcionários também criticaram alguns aspectos dos programas de qualificação profissional e aprendizagem. Uma clara maioria (61%) disse que esses programas não os ajudaram a desenvolver as habilidades para realizar seu trabalho com mais eficiência, enquanto 54% disseram que os programas não lhes deram habilidades que os tornariam mais "empregáveis". Por outro lado, 62% e 54%, respectivamente, disseram que os programas "me ajudaram a não ser demitido" e "me livraram de atividades repetitivas".

O relatório conclui que analisar o impacto da automação nas pessoas é uma consideração importante com a qual muitas organizações lutam, mas é um primeiro passo importante. Quase 60% dos executivos de RH e executivos no nível de gerência admitem que o impacto da automação na força de trabalho não é uma consideração importante na visão e estratégia de automação de sua liderança.

Além disso, os líderes da organização não estão se comunicando frequentemente com seus funcionários sobre iniciativas de automação, planos de qualificação e papéis emergentes. Assim como menos da metade dos executivos seniores (45%) pesquisados se comunicam com sua força de trabalho sobre as iniciativas de automação das organizações, sua importância e impacto potencial na força de trabalho.

Metodologia de Pesquisa

Para avaliar como as organizações estavam aprimorando sua força de trabalho, o Instituto de Pesquisa Capgemini entrevistou 800 executivos e 1,2 mil funcionários em funções de supervisão e não-supervisão. Esses entrevistados foram escolhidos em mais de 400 organizações, com receitas anuais de mais de US$ 1 bilhão cada. A Capgemini também realizou entrevistas individuais com diversos executivos seniores e acadêmicos.

RSS
Facebook
Google+
http://tiinside.com.br/tiinside/06/12/2018/estudo-da-capgemini-aponta-que-beneficios-da-automacao-podem-se-perder-com-a-baixa-qualificacao-dos-trabalhadores/
Twitter
LinkedIn

Tags: , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial