TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Estudo mostra declínio das mídias sociais como fonte de notícias

Postado em: 15/06/2018, às 19:36 por Redação

O uso de mídia social para notícias começou a cair em vários mercados importantes após anos de crescimento contínuo, de acordo com o Digital News Report de 2018, publicado nesta sexta-feira, 15. O relatório, que abrange 37 países em cinco continentes, revela que o uso caiu seis pontos percentuais nos Estados Unidos, e também está baixo no Reino Unido e na França.

Quase todo o declínio é devido a uma diminuição na descoberta, postagem e compartilhamento de notícias no Facebook. Ao mesmo tempo, tem havido um aumento no uso de aplicativos de mensagens para notícias, à medida que os consumidores procuram espaços mais privados (e menos conflituosos) para se comunicar.

O WhatsApp agora é usado para notícias por cerca de metade da amostra de usuários n-line na Malásia (54%) e no Brasil (48%) e em cerca de um terço na Espanha (36%) e na Turquia (30%).

O Digital News Report de 2018, que é baseado em uma pesquisa online com 74.000 pessoas, inclui descobertas sobre confiança, desinformação – ou as chamadas "notícias falsas" – tendências de visualização de televisão, podcasting, adblockers e assistentes ativados por voz. Pela primeira vez, o relatório também inclui o conhecimento de notícias e a confiança da marca.

Principais conclusões:

  1. Em todos os países, o nível médio de confiança nas notícias permanece relativamente estável em 44%, com pouco mais da metade (51%) concordando que eles confiam na mídia que eles mesmos usam a maior parte do tempo. Por outro lado, 34% dos entrevistados afirmam confiar nas notícias que encontram por meio da pesquisa, e menos de um quarto (23%) afirma confiar nas notícias encontradas nas redes sociais.

Relatório de notícias digitais, 2018

  1. Mais da metade (54%) concorda ou concorda fortemente que eles estão preocupados com o que é real e falso na internet. Isso é mais alto em países como o Brasil (85%), a Espanha (69%) e os Estados Unidos (64%), onde situações políticas polarizadas se combinam com o alto uso de mídias sociais. É mais baixo na Alemanha (37%) e na Holanda (30%), onde as recentes eleições não foram afetadas por preocupações com conteúdo falso.

 

  1. A maioria dos entrevistados acredita que os editores (75%) e as plataformas (71%) têm a maior responsabilidade de corrigir problemas de notícias falsas e não confiáveis. Isso ocorre porque grande parte das notícias sobre as quais eles se queixam se refere a notícias tendenciosas ou imprecisas da mídia tradicional, em vez de notícias que são completamente inventadas ou distribuídas por potências estrangeiras.

 

  1. Há algum apetite do público por intervenção do governo para parar "notícias falsas", especialmente na Europa (60%) e na Ásia (63%). Por outro lado, apenas quatro em cada dez americanos (41%) achavam que o governo deveria fazer mais.

 

  1. Pela primeira vez, os pesquisadores mediram a alfabetização em notícias. Aqueles com níveis mais altos de alfabetização de notícias tendem a preferir as marcas de jornais pela TV, e usam as mídias sociais para notícias muito diferentes da população em geral. Eles também são mais cautelosos com as intervenções dos governos para lidar com a desinformação.

 

  1. Com o Facebook procurando incorporar as pontuações de confiança da marca orientadas por pesquisa em seus algoritmos, revelamos neste relatório as marcas mais e menos confiáveis ??em 37 países com base em metodologias semelhantes. Descobrimos que as marcas com histórico de transmissão e longa tradição tendem a ser mais confiáveis, com os jornais populares e as marcas digitais menos confiáveis.

 

  1. Aplicativos de notícias, boletins informativos por e-mail e notificações móveis continuam ganhando importância. Mas em alguns países, os usuários estão começando a reclamar que estão sendo bombardeados com muitas mensagens. Isso parece ser em parte devido ao crescimento de alertas de agregadores como o Apple News e o Upday.

Relatório de Notícias Digital 2018

  1. O número médio de pessoas que pagam por notícias on-line subiu em muitos países, com aumentos significativos vindos da Noruega (+4 pontos percentuais), Suécia (+6) e Finlândia (+4). Todos esses países têm um pequeno número de editores, a maioria dos quais está implacavelmente buscando uma variedade de estratégias de paywall. Mas em mercados mais complexos e fragmentados, ainda existem muitos editores que oferecem notícias on-line gratuitamente.

 

  1. O aumento significativo do ano passado nas assinaturas nos Estados Unidos (o chamado Trump Bump) foi mantido, enquanto doações e associações baseadas em doações estão emergindo como uma estratégia alternativa significativa na Espanha, e no Reino Unido, bem como nos Estados Unidos. Estados. Esses pagamentos estão intimamente ligados à crença política e vêm desproporcionalmente dos jovens.

 

  1. Preocupações com privacidade reacenderam o crescimento do software de desbloqueio. Mais de um quarto agora bloqueia em qualquer dispositivo (27%), mas isso varia de 42% na Grécia a 13% na Coréia do Sul.

 

  1. A televisão continua sendo uma fonte crítica de notícias para muitos – mas o declínio na audiência anual continua a levantar novas questões sobre o futuro papel das emissoras públicas e sua capacidade de atrair a próxima geração de telespectadores.

 

  1. Os consumidores continuam relutantes em ver vídeos de notícias em sites e aplicativos de editores. Mais da metade do consumo ocorre em ambientes de terceiros, como o Facebook e o YouTube. Ameros icans e os europeus gostariam de ver menos vídeos de notícias on-line; Os asiáticos tendem a querer mais. Os podcasts estão se tornando populares em todo o mundo devido ao melhor conteúdo e à distribuição mais fácil. São quase duas vezes mais populares nos Estados Unidos (33%) do que no Reino Unido (18%). Os jovens são muito mais propensos a usar podcasts do que ouvir rádio por voz.14. Assistentes digitais ativados por voz, como o Amazon Echo e o Google Home, continuam a crescer rapidamente, abrindo novas oportunidades para o áudio de notícias. O uso mais do que dobrou nos Estados Unidos, na Alemanha e no Reino Unido, com cerca de metade daqueles que usam esses dispositivos para notícias e informações.
RSS
Facebook
Google+
http://tiinside.com.br/tiinside/home/internet/15/06/2018/estudo-mostra-declinio-das-midias-sociais-como-fonte-de-noticias/
Twitter
LinkedIn

Tags: , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial