TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Bloqueio de publicidade do Google Chrome provoca reações do mercado de publicidade online

Postado em: 20/02/2018, às 15:18 por Redação

No início desta semana, a Google lançou novas políticas de filtragem para o navegador Chrome que bloqueará todos os anúncios particularmente irritantes, como vídeos de reprodução automática com pop-ups sonoras ou de página inteira.

A ideia por trás desse movimento é bastante direta: se os usuários não quiserem lidar com experiências de anúncios intrusivos, não precisam mais baixar bloqueadores de anúncios de terceiros. Estas ferramentas eliminam as oportunidades de receita para sites que dependem de anúncios para ganhar dinheiro, ao mesmo tempo que afetam a linha inferior de provedores de anúncios, como o Google, que paga uma taxa para listar seus anúncios em serviços populares, como o Adblock Plus.

Embora a nova política do Chrome seja amplamente elogiada, o domínio do Google sobre o negócio de anúncios online – em conjunto com o domínio do navegador Chrome e sua influência no grupo que selecionou quais anúncios contam como "intrusivos" – levanta algumas perguntas espinhosas.

O Chrome determinou os 12 tipos de anúncios que irão desencadear seu sistema de bloqueio com base em padrões estabelecidos pela Coalition for Better Ads, um grupo da indústria onde o Google é um membro do conselho.

No entanto, vários membros da Coalition of Better Ads disseram ao The Wall Street Journal que achavam que o Google teve influência indevida sobre as ações dos comitês, porque liderou a pesquisa usada para determinar os tipos de anúncios intrusivos.

Por exemplo, os anúncios de vídeo pré-roll do YouTube não foram incluídos na pesquisa sobre tipos de anúncios intrusivos, o que Johnny Ryan, chefe do ecossistema da PageFair, uma empresa que ajuda as editoras a protegerem o bloqueio de anúncios, chama uma "omissão notável".

"Embora o adblocker do Chrome seja uma melhoria bem-vinda para os usuários, não é surpreendente que os proprietários de sites estão horrorizados com o fato dos anúncios estarem sendo banidos dos seus sites, enquanto os próprios formatos do Google são ilesos", disse ele à CNBC. O Google disse ao Wall Street Journal que planeja testar formatos de anúncios em vídeo no futuro.

O negócio global de anúncios online do Google é maior do que a soma dos cinco concorrentes. O Chrome possui uma participação de mercado de navegador de 59,23% em desktop e plataformas móveis, de acordo com NetMarketshare.com.

"Isso dá ao Google ainda mais poder na internet agora do que nunca", disse Rich Kahn, CEO da empresa de publicidade digital eZanga, à CNBC.

Mesmo que os usuários possam desativar a configuração do adblock no Chrome, o Kahn ainda vê o movimento do navegador como uma forma ditar o que os sites podem ou não mostrar e o que os usuários de internet podem ou não podem ver.

Henry Kargman, CEO da empresa de anúncios digitais Kargo, que também está no conselho da Coalition for Better Ads, diz que acha que as recomendações do CBA são boas, mas está cauteloso com o fato de o Chrome as implementar.

Tags: , , , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top