TI INSIDE Online -

RSS Feed Compartilhe TI INSIDE Online no Facebook Compartilhe TI INSIDE Online no Twitter Compartilhe TI INSIDE Online no Google+ Compartilhe TI INSIDE Online no Linkedin

Empresas coletam muito mais dados do que podem controlar, revela Gemalto

Postado em: 11/07/2018, às 00:00 por Redação

A pressão para estar em conformidade com as leis de proteção de dados aumenta significativamente no mundo todo. E a Gemalto está lançando nesta terça-feira,10, os resultados de um estudo mundial que revela que duas em cada três empresas (65%) não estão preparadas para analisar todos os dados que coletam e apenas metade (54%) das empresas sabem onde todos seus dados sensíveis estão armazenados. Intensificando este cenário, mais de dois terços das organizações (68%) admitem que não estão realizando todos os procedimentos necessários para estar em conformidade com as leis de proteção de dados, como o GDPR (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados).

Estas são apenas algumas das descobertas do quinto Índice anual de Confiança na Segurança de Dados, que entrevistou 1.050 tomadores de decisão de TI e 10.500 clientes em todo o mundo. A pesquisa descobriu que a capacidade das empresas em analisar os dados que coletam varia em todo o mundo, com a Índia (55%) e a Austrália (47%) liderando o ranking de melhor percepção no uso dos dados que coletam. De fato, apesar de nove em dez (89%) organizações mundiais concordarem que a análise efetiva dos dados dá a elas uma margem competitiva, apenas uma em cada cinco empresas operando na Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo (20%) e também no Reino Unido (19%) estão aptas a fazer isto.

"Se as empresas não podem analisar todos os dados que coletam, não conseguem compreender o valor dos mesmos – e isto significa que não irão saber como aplicar os controles adequados de segurança para estes dados", disse Jason Hart, vice-presidente e diretor de tecnologia para proteção de dados na Gemalto. "Seja para vender ilegalmente na web, manipular para ganho financeiro ou prejudicar a imagem e reputação das empresas, dados vulneráveis são uma mina de ouro para os hackers. Algumas destas consequências podem ser identificadas nos recentes ataques à Agência Mundial Anti-Doping e à Federação Internacional de Luge (uma das modalidades das Olimpíadas de Inverno). Além disto, a manipulação de dados pode levar anos para ser descoberta, e com os dados coletados informando tudo sobre a estratégia comercial de vendas e desenvolvimento de produtos, seu valor e integridade não podem ser subestimados."

A percepção que uma violação de dados pode ser evitada ainda é pequena

Ao avaliar como os dados estão sendo protegidos, o estudo descobriu que quase metade (48%) dos profissionais de TI acreditam que a segurança do perímetro é efetiva em manter usuários não autorizados fora de suas redes. Isto ocorre apesar da maioria dos profissionais de TI (68%) confirmarem que usuários não autorizados podem acessar suas redes corporativas, sendo as empresas australianas as mais suscetíveis (84%) e as do Reino Unido as menos suscetíveis (46%). Entretanto, uma vez que os hackers estejam dentro, menos da metade das empresas (43%) acreditam que seus dados estariam seguros. As empresas do Reino Unido são as mais preocupadas, com apenas 24% extremamente confiantes sobre a segurança dos dados, e as da Austrália com maior alto índice de confiança (65%).

Mesmo que ainda acreditem na maneira como estão protegendo suas redes, um terço (27%) das empresas relataram que a sua rede foi invadida nos últimos 12 meses. Dentre as que já sofreram uma violação deste tipo, apenas 10% dos dados comprometidos estavam protegidos por criptografia. Ou seja, em 90% dos casos, os dados sofreram exposição.

Clientes afirmam que a conformidade com regulamentos é crucial

Segundo o estudo, uma crescente conscientização sobre violação de dados e comunicações em torno do GDPR levaram à maioria (90%) dos clientes a acreditar que é importante para as organizações cumprir com as regulamentações de privacidade de dados. De fato, mais da metade (54%) já sabe o que é criptografia, e mostram um entendimento de como seus dados devem ser protegidos.

Hart continua, "É tempo das organizações colocarem suas casas em ordem; iniciando com quem supervisiona a segurança de seus dados. Uma figura central como um Diretor de Proteção de Dados deve ser nomeado para o conselho a fim de liderar um comitê sobre o assunto, discutido nos diversos níveis da empresa. Depois, é necessário focar na análise dos dados coletados a fim de assegurar que estejam corretamente protegidos além de proporcionar um processo de tomada de decisões de negócio mais efetivo. E finalmente, uma mudança de mentalidade. As organizações devem perceber que não é mais um caso de se, mas quando uma violação vai ocorrer, e que devem proteger seu ativo mais precioso – seus dados – através de criptografia, uso de segundo fator de autenticação e gestão das chaves, ao invés de focar apenas na proteção do perímetro."

Tags: , , ,

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Nome (obrigatório)

E-mail (não será mostrado) (obrigatório)

Website

Mensagem (obrigatório)



Top