Reflexões sobre soluções de tecnologia móvel para apps corporativos

0
0

Conforme cresce o ecossistema móvel e a confiança do consumidor em seus dispositivos, os negócios colocam suas estratégias de mobilidade à frente das discussões em seus planos de crescimento. As empresas que não estabelecem como prioridade máxima o envolvimento do cliente via tecnologia móvel, assumem o risco de se tornarem irrelevantes. Essa mudança não se verifica apenas verticalmente na indústria, mas suas ramificações podem ser vistas por toda a parte. Alguns exemplos a serem destacados incluem aplicativos de fidelidade, m-commerce, quiosques de autosserviço, pagamentos móveis etc.

Conforme avançam em seus esforços de investimento em aplicativos móveis voltados para seus objetivos de negócios, os CIOs avaliam as várias tecnologias e parceiros que possam concretizar sua visão. Há uma infinidade de fornecedores no mercado, oferecendo tanto serviços como alternativas de produtos. Neste espaço, os componentes com código aberto têm presença cada vez maior, aumentando a confusão. Outra dúvida que surge com frequência é se você deveria já começar com uma plataforma pronta ou experimentar compor uma solução usando os componentes mais recomendados.

De modo geral, todo projeto de aplicativo móvel deve ser considerado a partir de seus próprios méritos. É sabido que 85% das empresas possuem um acervo de desenvolvimento entre um e 20 aplicativos, segundo dados da Mobile Commerce Daily. Ao fazer sua escolha, eis algumas considerações que deveriam guiar sua busca por um conjunto de soluções e, possivelmente, um parceiro para mobilidade.

Suporte ao front-end e serviços – Escolha uma solução de tecnologia que dê suporte às suas necessidades de interface do usuário (UI). A maioria dos aplicativos móveis possuem um componente de UI e um de serviços. Dependendo de suas origens, determinadas ferramentas de software tendem a dar mais ênfase a uma área em detrimento da outra. A chave aqui é avaliar suas opções de tecnologia para uma melhor funcionalidade em cada componente.

Flexibilidade de desenvolvimento – Dê a si mesmo flexibilidade de desenvolvimento: interno, em nuvem privada, em nuvem híbrida ou pública. Considerando a perspectiva da conveniência, alguns aplicativos são mais adequados para funcionar atrás de um firewall, enquanto que outros são bons para uso em nuvem. Aplicativos adequados à nuvem incluem aqueles com dados que não sejam sensíveis, ou com padrões de tráfico extremamente variáveis.  Além disso, os apps podem iniciar o ciclo de vida sendo disponibilizados em uma nuvem pública e, com seu amadurecimento, o negócio pode decidir trazê-lo para o ambiente interno e hospedá-lo em uma estrutura de dados interna.

Pense no longo prazo – Seu parceiro de tecnologia está alinhado com sua estratégia móvel de crescimento? As empresas frequentemente avaliam opções de plataforma a partir de seus objetivos de negócio mais imediatos. Isso não deveria ser feito sem ter em mente uma visão da meta de crescimento futuro. Por exemplo, um operador de varejo que queira criar um aplicativo de e-commerce deve definir se a criação de um aplicativo de fidelização de clientes seria desejável no futuro.

Expansibilidade – No mundo do desenvolvimento de aplicativos, a velocidade da disponibilização é frequentemente inversamente proporcional à adequabilidade da solução ao crescimento do empreendimento. Ao optar por uma tecnologia, os gestores precisam avaliar as soluções para assegurar que estas permitam a personalização das corretas camadas do aplicativo, de modo a atender às necessidades específicas da solução.

Multiplataforma – Sabendo que oferecer um aplicativo com experiência nativa para usuários de iOS, Android e Windows Phone é essencial, uma parte bastante crítica da decisão está em avaliar o custo de desenvolvimento. Desenvolvedores nativos tendem a ser caros e de difícil obtenção, enquanto os profissionais com habilidades em JavaScript muitas vezes já estão disponíveis na própria equipe da TI da empresa.  Além de escolher uma plataforma de desenvolvimento que crie apps com experiência nativa a partir de um único código, também deve-se levar em conta a capacidade de sua equipe de assumir a propriedade de tal código e dar suporte no longo prazo.

Manter essas considerações em mente no momento de escolher seu parceiro de tecnologia e desenvolver seu aplicativo corporativo, fará grande diferença.

Marcelo Ramos, vice-presidente sênior e gerente geral da Axway para a América Latina.

Deixe seu comentário