Digitalização reduz tempo de produção de petróleo e gás em empresas

0
34

Tomadas de decisão mais rápidas e melhores e menos tempo para o início de produção estão no topo da lista dos benefícios que as tecnologias digitais podem gerar para empresas upstream de petróleo e gás, revela novo estudo da Accenture e da Microsoft. Respondentes do estudo "Accenture and Microsoft 2017 Upstream Oil and Gas Digital Trends Survey" também avaliaram o valor monetário das tecnologias digitais e perceberam o potencial da próxima onda para transformar ainda mais seus negócios, apesar dos baixos preços do petróleo.

Convidados a identificar as principais formas com que digital beneficia seus negócios, uma tomada de decisão melhor e mais rápida manteve a posição de destaque para 30% dos entrevistados, assim como na edição 2016 do estudo. Contudo, um tempo menor para o início da produção de petróleo e gás subiu do quinto para segundo lugar, com 19% das respostas. A redução de risco possibilitado pelo suporte de decisão em tempo real foi o terceiro ponto mais importante (12%).

Já em sua sexta edição, a pesquisa global mostrou que as áreas upstream com maior potencial de se beneficiar com digital são produção (28%), geológica e geofísica (27%) e perfuração e terminação (19%). Quase dois terços (62%) dos mais de 300 profissionais entrevistados percebe o valor de negócio das tecnologias digitais, com 27% estimando-o entre US$ 50 e 100 milhões, ou mais, para suas empresas.

No entanto, 14% dos entrevistados em empresas upstream não sabe qual valor monetário digital está sendo entregue, 20% não o medem e 4% acredita que digital está adicionando valor a seus negócios hoje em dia.

A maioria dos entrevistados espera que suas empresas percebam o valor das tecnologias digitais e 73% afirmam que a maioria de seus campos de petróleo e gás estará totalmente automatizada usando essas tecnologias em três a cinco anos.

Empresas upstream estão concentrando seus investimentos nas seguintes tecnologias digitais: dispositivos móveis (56%), computação em nuvem (45%), big data e analytics (43%) e IoT (42%). As áreas com prioridade de investimento nessas áreas são gestão de recursos e manutenção, gerenciamento de projetos de capital e otimização de produção.

Deixe seu comentário