O papel do arquiteto de TI na nova era da tecnologia

1
0

De modo geral, estamos acostumados com o termo arquitetura, porém, sempre muito associado aos ambientes físicos, seus layouts e decoração. No mundo da tecnologia também temos arquitetos, menos conhecidos do que os anteriores, mas tão importantes quanto. A similaridade do termo não é por acaso: ambos organizam elementos, ideias e os adaptam à necessidade de quem os frequentará e utilizará. Isso tudo parece muito simples na teoria. Mas, na prática, qual é o verdadeiro papel de um arquiteto de TI?

Com a contínua evolução da tecnologia da informação, vivemos em uma era cuja maior parte das empresas lida com um elevado volume de dados, sistemas complexos e a crescente necessidade de integração entre diferentes tecnologias. Em meio às complicações geradas por tudo isso, o mercado desenvolveu a necessidade por um profissional diferenciado e por vezes não disponível com as qualificações necessárias: o Arquiteto de Tecnologia da Informação.

Mais do que cuidar de sistemas corporativos e tecnologias, esse especialista é responsável por uma visão geral da empresa. É um profissional que lida com inovação, liderança na concepção de soluções, constante evolução e é, atualmente, fundamental para a evolução do negócio por considerar sistemas antigos, atuais e futuros, bem como os reais requerimentos dos indivíduos que compõem a companhia. Por tudo isso, para atuar como arquiteto de tecnologia da informação, o profissional precisa especializar-se e, além de aprimorar seu domínio tecnológico, desenvolver habilidades que vão além dos aspectos técnicos no seu dia a dia de trabalho. Na sequência, estabeleci as que julgo imprescindíveis e base para a evolução da carreira dos que se interessam pela área.

Conhecer tecnologia sob diferentes aspectos

O arquiteto de TI precisa manter-se atualizado referente às novidades de tecnologia. Deve, ainda, saber identificar o potencial e a efetividade de cada nova solução, bem como acompanhar sua curva de surgimento, adoção e vida útil. Nesse sentido, é importante ter visão de uso (entender a aplicabilidade da tecnologia) e de gestão (saber como implantá-la e como mantê-la), bem como aptidão para avaliar a relação investimento x aplicabilidade de cada tecnologia disponível, uma vez que a competitividade entre companhias exige investimentos bem aproveitados.

Lidar com sistemas legados

Como disse anteriormente neste artigo, estar atento às novidades é algo relevante e decisivo para o Arquiteto de TI, porém, os sistemas legados jamais podem ser esquecidos ou subaproveitados. Os dados fundamentais para um negócio devem ser geridos a partir de sua origem, considerando vida útil e disponibilidade. Muitas vezes eles estão em sistemas já existentes, nos quais foram originados. Assim, conhecê-los e dominar a integração com as tecnologias recentes é vital para sua atuação.

Conhecer o modelo de negócio
Permito-me afirmar com veemência que aqui está o ponto fraco de muitos profissionais de TI e o que, certamente, faz com que nem todos estejam aptos a atuar na área. Esse profissional sustenta a estratégia de negócios a partir de soluções de tecnologia, com o objetivo de que atendam as necessidades da empresa e seus colaboradores. Sendo assim, ele é um estrategista e precisa considerar as perspectivas de tecnologia da informação e de negócio.

Soft Skils / Habilidades Humanas

Cada vez mais, as empresas de tecnologia têm reconhecido a importância dos fatores comportamentais no trabalho, além das competências técnicas listadas acima. Esse fato é ainda mais presente quando trata-se de um Arquiteto de TI, que lida com uma visão ampla da companhia e precisa saber se relacionar com pessoas, compreendê-las e atender suas demandas, sendo capaz de extrair as informações necessárias e liderá-las sob certos aspectos para uma correta definição de arquitetura.

Brevemente descrito acima, o perfil do Arquiteto de TI será requisito básico para todo atuante na tecnologia em um futuro próximo, já que é inegável a necessidade das empresas contarem com esse tipo de profissional. Felizmente, essas e outras características já são abordadas na formação de tecnologia, tanto em cursos de graduação quanto os de pós-graduação. Para ir além das atividades técnicas e construir carreira no mundo dos negócios, esse é o caminho. Dedique-se, estude e colha os tantos frutos que certamente virão. Bom trabalho!

Anderson Milochi, coordenador dos cursos de Arquitetura da TI (pós-graduação) e de ADS (graduação) da BandTec, faculdade de tecnologia do colégio Bandeirantes

1 COMENTÁRIO

  1. Certamente, sai na frente que se especializa sob esta ótica, invariavelmente as empresas tem cada vez mais necessidade de integrar ambientes heterogêneos nesse aspecto um bom gerente passa por habilidades antes ignoradas e ou desnecessárias outrora, esta necessidade já é uma necessidade real hoje, então vamos lá mãos à obra, deixemos a zona de conforto e mãos a obra.

Deixe seu comentário