Estreia da Atento na bolsa decepciona e ações registram queda de quase 14%

0
391

A oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da Atento, empresa espanhola de contact center e outsourcing de processos de negócios (BPO), nesta quinta-feira, 2, na Bolsa de Nova York (NYSE), decepcionou mercado, analistas e, principalmente, o fundo de private equity Bain Capital Partners, controlador da companhia.

Precificadas a US$ 15, com a oferta de 10 milhões de ações ordinárias, as ações da companhia abriram o pregão cotadas a US$ 13,75 e às 15h23 (horário de Brasília) eram negociadas a US$ 12,85, uma queda de 14,33%. O preço chegou a US$ 12,97, por volta das 13h. No decorrer do dia os papéis deixaram de recuar aceleradamente e fecharam cotados a US$ 12,96, baixa de 13,60%, com um volume de 7 milhões de ações negociadas.

Os papéis, listados sob o símbolo "ATTO", foram ofertados tanto pela Atento quanto por um de seus acionistas, a Atalaya Luxco Pikco, afiliada à Bain Capital. Anteriormente à estreia na bolsa, a Atento trabalhava com a expectativa de levantar até US$ 300 milhões na NYSE e alcançar uma capitalização de mercado de US$ 1,5 bilhão, com as ações negociadas na faixa de preço de US$ 20,50.

O IPO teve como gerentes conjuntos de subscrição (joint book-running managers) o Morgan Stanley, a Credit Suisse Securities (USA) e a Itaú BBA USA Securities. O Merrill Lynch, a Pierce, Fenner & Smith Incorporated, o Bradesco, o BTG Pactual — filial das Ilhas Cayman —, o Goldman Sachs, o Santander Investment Securities e a Robert W. Baird Incorporated foram os coordenadores do IPO, enquanto o BBVA Securities atuou como cogerente da oferta.

O plano da Atento com o IPO é usar os recursos recebidos com a venda de ações para pagar dívidas, despesas relacionadas à oferta e para fins corporativos gerais.

A Bain Capital comprou a Atento da Telefónica em 2012, por cerca de 1 bilhão de euros (US$ 1,3 bilhão), incluindo as dívidas. A Atento, que oferece também serviços de suporte técnico, back office e outros tipos de suporte, tem cerca de 153 mil funcionários, com cerca da metade deles no Brasil. A companhia foi formada em 1999 como uma cisão do negócio de call center da Telefónica na Espanha, Peru e Chile.

Notícia atualizada às 18h47.

Deixe seu comentário