Porto Itapoá, de Santa Catarina, usa radiofrequência para monitorar operações no pátio

0
0

Ativo desde 2011, o Porto Itapoá, em Santa Catarina, desenvolveu um projeto de automação de operações e movimentações no cais, que utiliza coletores de dados e tecnologia de radiofrequência (RFID) para monitorar os caminhões e contêineres que entram no pátio.

O porto tem dois berços de atracação de 300 metros cada e capacidade para movimentar 500 mil TEUs (medida que corresponde a um contêiner de 20 pés) por ano. Os equipamentos, abrangendo coletores de dados, computadores móveis, bases de acesso e antenas, foram fornecidos pela Honeywell Scanning&Mobility.

A robutez dos equipamentos das linhas LXE MXX e VXX foi determinante para a sua escolha, uma vez que podem suportar as mais variadas condições de trabalho em ambiente externo sob umidade, maresia, temperaturas extremas e alta luminosidade sem perder o desempenho.

"Os coletores podem até trabalhar em dias de chuva e ficar sob água até um metro de profundidade em caso de queda acidental em uma poça d'água", exemplifica Luis Carlos Hachira Pinto, gerente de negócios para as divisões de portos e congelados da Honeywell Scanning&Mobility.

Os computadores móveis são ideais para o trabalho por longo período em campo que necessite de comunicação sem fio. Além da comunicação via radiofrequência, o usuário tem várias opções de comunicação como cabos USB para troca de dados com PCs.

O projeto contemplou a instalação de 12 bases de acesso e seis antenas de radiofrequência em postes de 40 metros de altura, para cobrir toda a área e evitar interferências pela movimentação de carga e também da atmosfera.

A integração entre uma rede de padrão Wi-Fi e os coletores permitiu a transmissão de dados de forma efetiva. A tecnologia de OCR (reconhecimento de caracteres) foi a escolhida para identificar caminhões e contêineres que entram no pátio do porto.

Assim, os dados são lançados nos coletores, apontando movimentação e posição que a carga deve ter. O operador do coletor de dados registra e acompanha toda a operação.

Terminal privativo de uso misto para movimentação de contêineres, o Porto Itapoá tem um calado natural de 16 metros, está preparado para receber navios Super-Post-Panamax com até 9 mil TEUs e fica localização na Baía da Babitonga, na divisa de Santa Catarina com Paraná.

Deixe seu comentário