Publicidade
Início Segurança Cases Constance Calçados reduz taxa de fraudes no e-commerce

Constance Calçados reduz taxa de fraudes no e-commerce

0
Publicidade

A Constance Calçados, uma das principais redes de calçados, bolsas e acessórios do Brasil, reduziu em cerca de 90% seu custo de fraudes com a adoção da solução da Konduto. Atualmente, a marca tem uma taxa de chargebacks controlada na casa de 0,3% sobre o faturamento, considerado abaixo das médias do e-commerce.

Com mais de 65 lojas espalhadas pelo território nacional, a Constance Calçados ingressou no e-commerce em 2014, criando um modelo de marketplace para não gerar conflito de canais com franqueados e, ao mesmo tempo, proporcionar uma experiência Omnichannel aos clientes. Neste formato, todos os pedidos feitos on-line são encaminhados à franquia mais próxima do endereço da compra, gerando redução de custo de frete. O comprador, por sua vez, pode realizar a transação pela internet, retirar o produto na loja física e efetuar trocas em qualquer unidade da rede.

“No início da nossa operação on-line, pagávamos 5% do faturamento das vendas para uma solução que prometia um plano de garantia contra chargebacks, ou seja, eles nos reembolsariam no caso de fraudes. Mas, depois de muitas contas, percebi que este custo não fazia sentido para a empresa, e que o dinheiro gasto poderia ser investido em ações de marketing e Facebook Ads, por exemplo. A Konduto reduziu nossos custos em 90%, e não temos problemas com a fraude no nosso e-commerce”, afirma Marcelo Linhares, gerente de e-Commerce da Constance.

A atuação da Konduto ajudou a equipe da Constance a entender que a função de um antifraude não é unicamente barrar fraudes, mas sim, encontrar um ponto de equilíbrio entre aprovar o maior número de pedidos diante do menor risco possível.

“Em dado momento, percebemos que a Constance estava barrando mais pedidos do que a média do mercado calçadista, por conta de uma suspeita de fraude. Explicamos a eles que era impossível que tantas transações assim fossem de origem criminosa, e que eles poderiam aprovar mais pedidos que ainda assim o risco continuaria controlado”, explica Tom Canabarro, co-fundador da Konduto.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário Cancelar resposta

Sair da versão mobile