Publicidade
Início Newsletter (TI Inside) China rebate críticas de Obama às regras para compra de tecnologia de...

China rebate críticas de Obama às regras para compra de tecnologia de empresas dos EUA

0
Publicidade

A China rebateu as críticas à sua proposta de lei de contraterrorismo feitas pelo presidente Barack Obama, dizendo que os EUA e outros governos também querem que as empresas de tecnologia forneçam acesso a seus sistemas, como condição para a compra de produtos e serviços estrangeiros por órgãos estatais.

O projeto chinês estabelece uma série de regras para que as operadoras de telecomunicações e empresas de internet ajudem as agências de segurança chinesas no combate ao contraterrorismo, com medidas tais como a entrega de chaves de criptografia e a implantação de backdoors (portas dos fundos, em tradução livre, dispositivos que executam comandos não autorizados em servidores) em seus sistemas para o uso por parte das autoridades.

Grupos empresariais americanos e europeus estão indignados com o escopo do projeto, já que consideram as regras intrusivas por exigirem o fornecimento de informações que envolvem propriedade intelectual às autoridades chinesas. Obama disse na segunda-feira, 2, que está preocupado com a proposta de lei e que as empresas norte-americanas teriam dificuldade “com o fornecimento no atacado de dados, inclusive pessoais, a um governo”.

Prevenção ao terrorismo

O porta-voz do Congresso Nacional do Povo, Fu Ying, disse nesta quarta-feira, 4, que as medidas previstas no projeto de lei seriam usadas por agências de segurança exclusivamente para investigar e prevenir atividades terroristas e estarão sujeitas a um rigoroso processo de aprovação. Ele sustenta que as medidas estão em conformidade com a “prática internacional comum” e acusa os governos ocidentais de também procurarem obter esse acesso de empresas de tecnologia.

“Na verdade, muitos países ocidentais, incluindo os EUA e o Reino Unido, têm solicitado às empresas de tecnologia o fornecimento de acesso a chaves de criptografia e a dados”, disse Fu em uma entrevista coletiva, segundo o The Wall Street Journal. “Nós esperamos poder ter um diálogo e trabalhar juntos em questões envolvendo a internet com base no respeito mútuo. O ideal é criar regras gerais para a governança e supervisão da internet, em vez de criar padrões duplos.”

O projeto de lei também exige que as empresas colaborem com as agências governamentais facilitando a descriptografia, quando solicitado, e no armazenamento de dados dos usuários chineses em servidores instalados naquele país.

O projeto de lei chinês foi um dos temas tratados por Obama em entrevista na segunda-feira, quando citou a intenção da China de rever as regras para a compra de produtos e serviços de empresas de tecnologia pelos bancos daquele país. Obama disse que expressou preocupações sobre essas questões diretamente com o presidente chinês, Xi Jinping.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile