Fundação de Rotarianos de São Paulo migra para computação em nuvem

0
38

Com mais de 70 anos dedicados à educação, a Fundação de Rotarianos de São Paulo é uma organização sem fins lucrativos, que mantém o Colégio Rio Branco, as Faculdades Integradas Rio Branco – Granja Vianna, o Ensino à Distância Rio Branco, o Centro Profissionalizante Rio Branco e o Centro de Educação para Surdos Rio Branco.

A Fundação de Rotarianos de São Paulo é parceira da Finlândia, referência em Educação, há mais de uma década, mantendo um estreito relacionamento com seus órgãos oficiais, como o Ministério da Educação, o Consulado e a Embaixada da Finlândia no Brasil, além de instituições de educação.

Por consequência dos negócios abraçados pela Fundação de Rotarianos de São Paulo e por se tratar de uma organização que busca a modernidade pedagógica, sua liderança percebeu que, futuramente, os data centers locais poderiam trazer algumas limitações. Foi, então, que a instituição iniciou a migração de seus dados para um sistema de computação em nuvem. Contudo, para realizar este processo, de forma segura e tranquila, Gustavo Meyer, assessor de tecnologia da Fundação e responsável pela tecnologia educacional e gestão de energia da Instituição, comenta que eles já tinham em mente que precisariam de um parceiro com expertise para auxiliá-los nesta jornada e, assim, buscaram a consultoria da Dedalus.

No primeiro momento, a Dedalus realizou um diagnóstico amplo para mapear as necessidades da Fundação de Rotarianos de São Paulo, considerando a estrutura que a instituição já possuía e seu foco de atuação. Dessa forma, por recomendação da Dedalus, a instituição passou a utilizar as soluções do Microsoft Azure, junto com o nível de serviços da Dedalus. O processo de migração durou dois meses e, segundo Gustavo, foi um trabalho intenso, mas tranquilo, em virtude de todo o apoio e consultoria recebida.

"A atuação da Dedalus nos surpreendeu, pelo profissionalismo e prontidão dos funcionários envolvidos, tanto no processo de coordenação, quanto no próprio atendimento dos analistas, que são muito solícitos. O serviço foi feito em sintonia com o cliente e isso é muito importante. Além disso, nossas necessidades foram atendidas no tempo em que precisávamos", comenta o assessor. "Não foram raras as vezes que os analistas telefonaram para perguntar se podiam dar andamento em procedimentos, sempre com a intenção de causar o mínimo transtorno ao cliente. A proatividade da Dedalus é um diferencial e algo muito difícil de se ver em outras empresas. Há muito profissionalismo envolvido", complementa.

Com a implantação concluída, a Fundação de Rotarianos de São Paulo manteve, apenas, uma pequena estrutura local, com desktops, servidor de autenticação e gerenciamento de catracas. Já para o ambiente de nuvem migrou toda a estrutura principal de TI, com servidores de aplicação, banco de dados e sistemas de RH e ERP.

A migração ocorreu enquanto a quarentena já havia sido determinada, fato que fez com que a parceria da Dedalus e a flexibilidade oferecida pela nuvem fossem essenciais no trabalho da Fundação e nas mudanças geradas pela necessidade de aulas remotas, principalmente no processo de adaptação dos professores. A organização já fazia uso de ferramentas de educação on-line, o que tornou mais fácil todo o processo de adaptação. De qualquer forma, a nuvem teve um papel muito importante ao viabilizar que toda a equipe de TI, trabalhando de forma remota, tivesse acesso imediato aos servidores e túnel VPN, possibilitando, assim, o desenvolvimento de aplicações, entre outros processos, com a agilidade e flexibilidade da plataforma de nuvem e todo o trabalho da Dedalus.

"Além disso, conseguimos preservar a nossa equipe de TI, evitando ao máximo o trabalho presencial. Tivemos o apoio da gestão técnica da Dedalus e nos sentimos muito bem amparados. Sem o sistema de nuvem e a parceria, o momento de transição para as aulas remotas teria sido muito mais difícil e demorado", relata Meyer.

Ganhos percebidos

Para a Fundação de Rotarianos de São Paulo, a experiência da migração foi boa e não gerou nenhum impacto negativo ao negócio. Pelo contrário, melhorias foram identificadas, como um menor downtime, por conta do suporte fornecido pela Dedalus, e flexibilidade de adaptação. "Tínhamos grande preocupação com possíveis problemas de compatibilidade, seus consequentes atrasos e escalada de custos na implantação. Graças ao suporte da Dedalus a implantação correu sem maiores transtornos e dentro do prazo que estabelecemos.", relata Gustavo. O assessor destaca, ainda, que a instituição obteve benefícios paralelos à migração como, por exemplo, os sistemas operacionais e de banco de dados que foram atualizados para poderem migrar para o Microsoft Azure.

Com relação à custos, não houve a temida explosão de gastos e, desde o início, a Fundação acompanha e monitora as planilhas de consumo fornecidas pela Dedalus, que oferecem uma visão completa dos recursos que estão sendo utilizados. "Tudo ocorreu dentro do esperado e não houve surpresas. Tivemos, também, a vantagem de não termos mais gastos com energia elétrica, data centers, ar condicionado, atualização de equipamentos e licenças, entre outros" conta Gustavo.

Após a pandemia, a Fundação quer entender, novamente, se a estrutura atual continuará adequada ou se haverá a necessidade de trabalhar com mudanças, contando sempre com o apoio consultivo da Dedalus. "Ainda não aproveitamos tudo o que a Dedalus tem para oferecer. Pretendemos seguir ajustando nossa estrutura para otimizar, ainda mais, o uso da nuvem, em termos de serviços e de aprimoramento de banco de dados, e, também, utilizar o recurso de inteligência artificial", finaliza o executivo.

 

Deixe seu comentário