Projeto em Sergipe implanta telemedicina no atendimento pediátrico

0
12

Projeto-piloto da Cisco em parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), anunciado nesta sefunda0fera, 4, vai encurtar distâncias e agilizar o atendimento a pacientes com  uso de telemedicina – atendimento médico via telepresença – pela qual será possível atender crianças na zona rural e menos povoada de Sergipe, das cidades de Lagarto e Tobias Barreto com o auxilio de hospitais e especialistas de Aracaju, capital do Estado, e de São Cristovão, onde está o campus da UFS. A meta é melhorar o acesso ao atendimento especializado e a qualidade no serviço e na melhora de vida das crianças e de suas famílias.

O anúncio do projeto-piloto acontece durante a I Semana Acadêmico-Cultural da UFS, evento da Universidade voltado à produção do conhecimento e à inovação. O projeto faz parte do programa global de responsabilidade social da Cisco "Connected Healthy Children"  e combina os esforços da UFS e dos prestadores de assistência médica nos municípios envolvidos. Conta com  o apoio também da Secretaria de Estado da Saúde, Ministério da Saúde e das Prefeituras das cidades de Tobias Barreto e Lagarto.

As consultas das crianças de Tobias Barreto e Lagarto em clínicas de saúde da família serão acompanhadas em tempo real por especialistas no Hospital Universitário de Aracaju e no campus da UFS em São Cristóvão. As equipes médicas poderão avaliar conjuntamente caso por caso, sem que seja necessário saírem de seus municípios. Graças à qualidade de som e da imagem em alta definição da solução de telemedicina da Cisco TelePresence, os especialistas poderão ver e conversar com as crianças, acessar resultados e auxiliar o médico generalista local com uma segunda opinião.

"Em Lagarto estamos implantando um novo Campus, cujo  viés principal é o suporte ao Sistema Único de Saúde. O apoio da Cisco fortalecerá as ações da Universidade Federal de Sergipe, resultando na implementação de um sistema de saúde pública mais adequado ao momento que vivenciamos, com a interiorização da  saúde pública e da  medicina. Além disso, a Cisco vem a complementar as ações pedagógicas da Universidade'', diz Angelo Antoniolli, reitor da Universidade Federal de Sergipe.

Programa de educação

Outro benefício do projeto de responsabilidade social da Cisco em Sergipe é a implantação de programas de educação continuada, possibilitando o aprendizado à distância dos profissionais de saúde do Estado. Por meio das ferramentas de colaboração Show and Share, WebEx e Jabber será possível criar e gerenciar comunidades de vídeo altamente seguras, agendar sessões de aula virtual e acessar serviços remotamente por dispositivos móveis. A colaboração pode aumentar o conhecimento e o treinamento de equipes de assistência locais e facilitar o acesso ao conteúdo científico disponíveis em centros de excelência. Já para as equipes médicas locais, a atuação de forma colaborativa com especialistas poderá aumentar a capacidade de intervenção e melhorar o processo de tomada de decisões.

O potencial do projeto-piloto de telemedicina e colaboração em transformar realidades em Sergipe é grande. O Estado, embora seja o menor do país e muito carente de especialistas em assistência médica infantil, tem representantes com conhecimentos especializados e disposição para impulsionar uma transformação que poderá servir de modelo para outros Estados. De acordo com o Censo de 2010 do IBGE, 36% da população do Brasil vivem nas regiões Norte ou Nordeste, com menor disponibilidade de especialistas em pediatria. Estes se concentram principalmente em grandes centros e em cidades do sul do país, onde há, em média, quatro vezes mais médicos por habitante. A implantação do projeto "Connected Healthy Children" pode tornar Sergipe um centro de excelência no atendimento pediátrico, espalhando a tecnologia a serviço da saúde. 

Além disso, o impacto da melhora do atendimento médico na vida das crianças e de suas famílias será considerável. De acordo com estudos da Organização Mundial de Saúde (OMS), a assistência médica regular permite o diagnóstico precoce e o tratamento, especialmente de doenças crônicas, e pode diminuir significativamente as taxas de mortalidade de crianças abaixo dos cinco anos. Uma saúde deficiente ocasiona atrasos no desenvolvimento, afetando a capacidade de aprendizado infantil e o alcance de todo seu potencial. Crianças doentes também afetam as vidas de seus pais e de suas famílias, pois seus cuidados exigem que os adultos, principalmente os menos favorecidos, fiquem afastados de seu trabalho. Assim, ao facilitar o acesso ao atendimento pediátrico, o programa da Cisco e da UFS em Sergipe transformará a realidade não apenas das crianças, mas também de suas famílias e de toda a região. 

O anúncio do "Connected Healthy Children" encerra a primeira etapa da implantação das tecnologias. Nos próximos meses está prevista a plena operação do programa nas clínicas de saúde da família, aumentando ainda mais a integração entre as equipes das cidades de Lagarto e Tobias Barreto com as equipes da Universidade Federal de Sergipe e da capital. É esperado também que os resultados dos atendimentos e os efeitos do programa na vida das crianças possam ser vistos a partir do próximo ano, quando a Cisco e a UFS pretendem divulgar os primeiros estudos de impacto do programa. A ideia da companhia é que o projeto-piloto de Sergipe seja um padrão de utilização de tecnologia em saúde pública, tornando o Brasil um centro latino-americano de uma rede internacional de assistência médica infantil.

Deixe seu comentário