Associação catarinense cria rede de investidores anjo para apoiar startups de base tecnológica

0
0

A Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate) firmou parceria com a associação Anjos do Brasil para criação da Rede de Investidores Anjo (RIA), que terá como objetivo impulsionar o desenvolvimento de startups e empresas nascentes no Estado. Com isso, Santa Catarina passa a sediar um núcleo da ONG, criada em 2011 para fomentar o investimento anjo em projetos de inovação. A Anjos do Brasil hoje tem nove polos regionais no país, 80 mil empreendedores e investidores cadastrados e cerca de 2,1 mil projetos submetidos no Brasil. Mais de 100 já receberam investimento.

A RIA vai atuar para atrair e conectar investidores anjo de Santa Catarina e aproximá-los de empreendedores que buscam apoio para seus projetos de base tecnológica. Com mais de 750 empresas de tecnologia associadas, a Acate terá o papel de fomentar o relacionamento na rede de investimentos no Estado. Já o know-how da Anjos do Brasil servirá para disseminar informações aos investidores, como legislação e modelos de contratos em investimento anjo, além de orientar e avaliar startups para torná-las aptas a receber aportes futuros.

As atividades da RIA envolverão encontros como workshops para investidores e empreendedores, seleção de startups aptas à captação de investimentos e rodadas de apresentação de negócios, entre outras modalidades de networking.

A conexão desses públicos será viabilizada por meio de uma plataforma online já utilizada nacionalmente que reúne informações sobre investidores e projetos. A plataforma permite que empreendedores cadastrem seus projetos com todas as informações básicas necessárias e vídeo de apresentação.

Atuação em rede

O presidente da Acate, Guilherme Bernard, explica que a rede será iniciada com 30 potenciais investidores, mas acredita que a atraia em pouco tempo em torno de 60 participantes. "Acreditamos que o movimento dará assertividade aos investimentos. Vemos várias pessoas que hoje querem investir no setor de tecnologia e muitas vezes acabam fazendo isso de forma individual, em um negócio que não é de sua expertise. A ideia da Rede de Investidores Anjo é ter pessoas com conhecimentos distintos para, não apenas dividir os riscos, mas agregar conhecimento aos negócios", explica.

O investimento total por empresa será, em média, de R$ 200 mil a R$ 500 mil, podendo chegar a até R$ 1 milhão. Ele será destinado exclusivamente ao aporte da empresa, não comprando participação de outros investidores ou dos sócios, nem podendo ser utilizado para pagamento de dívidas existentes.

Entre os requisitos para investir, o investidor terá que ter ao menos dez anos de experiência profissional em cargos de alto nível ou ser ou ter sido sócio/proprietário de um negócio. Além disso, ele precisa ter capacidade para investir no mínimo R$ 50 mil/ano em startups.

Deixe seu comentário