Apple, Google e outras empresas criticam juíza por rejeitar acordo sobre contratações

0
0

A juíza Lucy Koh, da Corte Distrital de San Jose, na Califórnia, foi criticada por Apple, Google, Intel e Adobe por ter rejeitado a proposta de acordo, de US$ 324,5 milhões, feita pelas empresas para encerrar a ação judicial na qual são acusadas de "práticas restritivas" de contratação no Vale do Silício. Elas querem que um tribunal de apelações intervenha, segundo informações do site de tecnologia re/Code.

Aberta em 2010, a ação coletiva, que engloba cerca de 64 mil trabalhadores do Vale do Silício, acusa as empresas de terem orquestrado um esquema para reduzir salários e não contratar funcionários uma das outras, a fim de evitar uma "guerra salarial".

Em junho, durante audiência sobre o caso, a juíza já havia questionado a proposta de acordo, afirmando que o valor era muito baixo e que seriam necessários no mínimo, US$ 380 milhões. Lucy Koh ainda citou "evidências substanciais e convincentes" que o então presidente da Apple, Steve Jobs, "foi uma, se não a figura central, da suposta conspiração".

Em documento entregue às autoridades na quinta-feira, 4, as empresas pedem que o Tribunal de Apelações do 9º Circuito dos Estados Unidos anule a decisão da juíza. Lucy Koh "cometeu um claro erro legal" e "substituiu de maneira inadmissível a avaliação do tribunal sobre o valor do caso pelo valor das partes, que têm disputado por conta do caso por mais de três anos", diz o documento.

Os advogados das empresas argumentaram que a juíza deve aprovar o negócio, visto que os trabalhadores enfrentam o risco de perder a ação em uma apelação. Uma audiência está marcada para o próximo dia 10.

Procurada pelo site, a Adobe se recusou a comentar, assim como um advogado dos trabalhadores. Representantes das três outras empresas não foram encontrados para comentar o assunto.

Deixe seu comentário