Procwork fecha 2005 com expansão de 35% da receita

0
1

O grupo Procwork, empresa brasileira de serviços de consultoria e integração de soluções de TI, divulgou nesta sexta-feira (6/1) um balanço do desempenho de atividades e financeiro de 2005. Com a aquisição de três importantes operações no mercado (W3 Consulting, Ixos do Brasil ? atual OpenText ? e Plaut) e a expansão para o Rio Grande do Sul e para o México, que deu inicio à atuação oficial da companhia na América Latina, a Procwork fechou o ano com um crescimento da ordem de 35% em seu faturamento, alcançando uma receita estimada em R$ 300 milhões.

?O fator mais interessante desse crescimento é que conseguimos superar nossas expectativas em relação aos resultados gerados pelas empresas que incorporamos. E as projeções para 2006 também são otimistas, já que as operações adquiridas dobrarão de tamanho segundo estudo realizado pela companhia?, comenta Carlos Henrique Testolini, CEO do grupo Procwork.

A começar pela multinacional W3 Consulting, que duplicou em número de clientes e de consultores após se incorporar à Procwork, a expectativa é atingir em 2006 uma receita na casa dos R$ 30 milhões. A W3 entrou para o grupo no fim de 2004 com um faturamento de R$ 12 milhões e encerra 2005 com R$ 22 milhões. Ao todo foram fechados dez novos contratos com clientes de grande porte das áreas de telecom, papel e celulose.

Poucos meses depois, a consultoria incorporou a Ixos do Brasil, tradicional fornecedora de soluções archiving e gestão documental para ambientes SAP que se fundiu mundialmente à Open Text Corporation. A empresa, que faturou em 2004 cerca de R$ 3 milhões, encerrou o ano com uma receita de R$ 6 milhões e, de acordo com as expectativas da Procwork, a operação deve alcançar um faturamento de R$ 13 milhões em 2006.

Em relação à Plaut, última incorporação realizada em 2005, mesmo que a Procwork tenha mantido a empresa operando de forma independente, os resultados também foram importantes. Após a aquisição, a Plaut passou de um faturamento de R$ 15 milhões para R$ 23 milhões em 2005. Para este ano, a expectativa é atingir uma receita de R$ 50 milhões. Cerca de 20 novos clientes foram conquistados e o quadro de funcionários aumentou em 25%. Unindo a Plaut e a W3 junto à Aspen, divisão do grupo responsável por implementações SAP, a Procwork fortaleceu sua operação se tornando a principal empresa de projetos da alemã SAP no Brasil e na América Latina.

No que tange ao número de clientes, a Procwork conquistou 140 novas empresas em sua carteira em 2005, contabilizando um total de 500 clientes. Mantendo essa política de crescimento, o grupo planeja para 2006 novas ações de incorporação e continuará sua estratégia de expansão através da criação de filiais nas cidades de Curitiba, Brasília e Manaus, além de uma nova base na América Latina, que deve ser instalada na Argentina ou no Chile.

?Nossa proposta é fortalecer a atuação da companhia nos países latino-americanos, já que a operação no México nos deu respaldo para apostar na região?, resume Testolini. O escritório mexicano, que iniciou as atividades no segundo semestre de 2005 com o projeto de três plantas da Owens Corning, já conquistou seis novos clientes e superou as expectativas planejadas pelo grupo. A equipe, que iniciou com 15 colaboradores, hoje conta com 40 consultores para atender o mercado local.

O segmento offshore também faz parte dos planos de desenvolvimento da companhia fora do país. Além de estabelecer sua primeira parceria para essa estratégia no Japão, com a E-Meta Software Factory, outro passo do grupo para isso foi a conquista da certificação CMM nível 2, condição primordial para estabelecer sua atuação internacional. A próxima etapa é buscar o nível 3 da certificação para fortalecer o conceito de ?qualidade total? da companhia.

Sem contar com as novas aquisições que pretende fazer, a Procwork projeta para 2006 um crescimento de 25%, alcançando a casa de R$ 370 milhões de faturamento. ?Esse é o resultado que esperamos atingir a partir da regionalização da companhia e da comercialização de novos produtos, como é o caso do Business One da SAP?, resume Testolini.

Deixe seu comentário