Vivo amplia parceria com CDF para casa conectada, e pode se tornar acionista

0
84

A Vivo anuncia a ampliação da parceria comercial com a CDF Assistência e Suporte Digital S.A. – empresa que é um marketplace de soluções de assistência residencial e tecnológica -, com o objetivo de ser referência no mercado brasileiro na oferta de serviços de suporte tecnológico para a casa conectada. Com isso, a Vivo se posiciona, cada vez mais, como um hub de serviços digitais e passa a ter, ainda, a opção de adquirir participação acionária minoritária no capital social da CDF.

As empresas já são parceiras na oferta do "Vivo Guru", que será a marca guarda-chuva também dos serviços para casas cada vez mais conectadas, a serem lançados em breve. Além do suporte técnico remoto e presencial, o portfólio será ampliado para outras áreas como configuração de rede Wi-Fi e física, instalação e configuração de dispositivos inteligentes, entre outros.

"A tendência é haver cada vez mais dispositivos conectados nas residências, como máquina de lavar, geladeira, ar condicionado, lâmpadas, entre outros, graças à evolução da internet das coisas para consumidores finais. Os mundos da tecnologia e dos serviços de assistência estão se aproximando e queremos capturar essa oportunidade, oferecendo serviços que ajudem nossos clientes. Nosso objetivo é que todos tenham na Vivo a referência em tecnologia, seja para comprar produtos ou para contratar serviços", afirma Marcio Fabbris, VP B2C da Vivo.

No ano passado a Vivo lançou seu marketplace ( www.loja.vivo.com.br), onde é possível comprar eletroeletrônicos de diversas marcas – de notebooks a refrigeradores. Além disso, em suas lojas (online e física), a empresa vende diferentes dispositivos para casa conectada, como assistentes virtuais, repetidores Wi-Fi e lâmpadas inteligentes. Por isso, o anúncio de hoje complementa a estratégia da Vivo de ser reconhecida como um hub digital que atende a todas as necessidades tecnológicas de seus clientes.

A operação está sujeita à prévia aprovação da autoridade antitruste brasileira.

Deixe seu comentário