Hashdex anuncia entrada no mercado norte-americano

0
23

A Hashdex, gestora focada em criptoativos, anuncia nesta quarta-feira, 9, que começará a distribuir fundos de investimento nos Estados Unidos. A ação acontece por meio da parceria com a Victory Capital, tradicional gestora americana que possui mais de US$ 150 bilhões sob gestão. Os produtos que serão distribuídos nos EUA seguirão o Nasdaq Crypto Index (NCI) – um índice co-desenvolvido pela gestora brasileira e pela bolsa de valores americana.

"Acreditamos muito no potencial de cripto como uma classe de ativos muito relevante no futuro. Investir através de um índice é a com certeza a forma mais eficiente de ganhar exposição a este mercado no longo prazo. Estamos muito felizes de poder levar esta novidade para o mercado americano, que até então vinha muito centrado em produtos focados em Bitcoin", comenta Marcelo Sampaio, CEO da Hashdex. "Ter sido escolhido como parceiro exclusivo pela Nasdaq e Victory, ambas empresas líderes em seus segmentos, reforça o DNA global da Hashdex, que nasceu pra oferecer os melhores produtos de investimentos em cripto do Brasil para o mundo", diz.

O anúncio da chegada em solo americano representa uma continuidade natural dos planos da empresa que, no último mês, levantou capital para se consolidar como a líder do segmento no Brasil e, também, para expandir sua atuação em outros países. No início de maio, a Hashdex recebeu um investimento de R$ 135 milhões, em uma rodada liderada pelo Valor Capital Group, em conjunto com Softbank, Coinbase Ventures e outros investidores.

Antes do aporte, a Hashdex já havia alcançado importantes marcos no mercado de criptoativos. Em fevereiro, a Hashdex listou o primeiro ETF de criptomoedas do mundo na Bermuda Stock Exchange (BSX) – produto que replica o NCI. Além disso, também lançou o HASH11, primeiro ETF de ativos digitais da B3, que também segue o NCI. Atualmente, o produto possui mais de 115 mil cotistas, soma aproximadamente R$ 1,3  bilhão em patrimônio líquido e já é o segundo maior ETF da bolsa brasileira.

Deixe seu comentário