Oi reafirma plano estratégico de transformação do negócio e pede mais prazo para sair da concordata

0
0

Uma nova operação da Polícia Federal realizada na sede da Oi nesta terça-feira, 10, teve o objetivo de aprofundar as investigações sobre o uso de firmas de Fábio Luis, filho de Lula, e do empresário Jonas Suassuna para o pagamento de despesas pessoais da família do ex-presidente. A origem desses recursos, segundo a investigação, foram as empresas de telefonia Oi e Vivo. Contratos comerciais foram firmados como fachada para dar aparência legal às transferências, dizem os investigadores.

Em reação ao episódio, a Oi enviou comunicado à imprensa neste início de noite, reforçando seus compromissos com a recuperação judicial, que está em curso, o projeto de transformação digital interna e a reconstrução da rede de telecomunicações.

Leia a íntegra do comunicado.

Em nome de nosso relevante relacionamento, a Oi informa que vem implementando com êxito o plano estratégico de transformação de seu negócio com foco na massificação da fibra ótica no país e em negócios de maior valor agregado e com tendência de crescimento e visão de futuro. Nesse sentido, nossa estratégia está direcionada para serviços como banda larga de alta velocidade com fibra (FTTH), incluindo IPTV e conteúdo OTT, soluções B2B (corporativas e empresariais) com foco em serviços integrados e TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação), soluções de atacado com provimento de redes de transporte, infraestrutura e conectividade para outros provedores de serviços, e crescimento da operação sustentável móvel com foco no segmento pós-pago e evolução para 5G. Este movimento já começa a dar resultados positivos em nossos indicadores operacionais e financeiros, e será acelerado a partir de 2020, alcançando consolidação em 2021.

Para dar mais estabilidade e transparência ao processo de transformação em curso, a Oi solicitou à Justiça que a supervisão judicial da companhia não seja encerrada em 4 de fevereiro de 2020, data em que a homologação do plano de RJ completa dois anos. A medida de não-encerramento não traz mudanças para a situação atual da Oi e não tem impacto quanto ao cumprimento do Plano de RJ em vigor, nem em relação a créditos correntes e sobre eventuais novos recursos que vierem a ser acessados pela companhia. Vale destacar que a continuidade de supervisão judicial ao fim do período de dois anos é uma medida natural que tem sido aplicada na maior parte dos processos de RJ.

A Oi reafirma que manterá o foco em suas operações, com melhorias nos indicadores de qualidade e novo patamar de investimentos, sempre com objetivo de ampliar e qualificar sua infraestrutura para fazer frente ao direcionamento de seu plano estratégico, melhorando a qualidade de seus serviços para atender cada vez melhor seus mais de 55 milhões de clientes, e seguirá focada na execução bem sucedida de seu plano estratégico de transformação.

Reafirmamos a importância do relacionamento com sua empresa e esperamos continuar contando com sua confiança. A capacidade da Oi de fazer negócios é positiva para toda a cadeia setorial. O seu ponto focal de relacionamento na Oi será seu canal de comunicação para novas informações e para o esclarecimento de quaisquer dúvidas.

Um abraço,

 

Rodrigo Abreu, COO da Oi

 

Daniel Hermeto, Diretor de Suporte ao Negócio da Oi

Deixe seu comentário