Empresa financeira italiana público-privada Simest adquire participação na AlmavivA do Brasil

0
3

A Simest, empresa financeira público-privada que atua na promoção e desenvolvimento de empresas italianas fora da União Europeia, adquiriu 5% de participação na fornecedora de serviços de contact center AlmavivA do Brasil por meio de uma capitalização de R$ 50 milhões. O restante do capital segue nas mãos da Família Tripi, na Itália (controladora) e da GE Capital.

Em comunicado, a AlmavivA diz que o ingresso da Simest amplia ainda mais a capacidade da empresa de crescer e gerar novos negócios e empregos no país. "Apesar da recessão econômica, enxergamos oportunidades no mercado brasileiro. A chegada da Simest fortalece o patrimônio e os planos de nossa empresa para o futuro", comemora Francesco Renzetti, CEO da AlmavivA.

Renzetti reforça, ainda, que o interesse da Simest se deve, em boa parte, à atratividade da empresa. "A proposta de valor da AlmavivA do Brasil, de realizar acordos comerciais variáveis nos quais se promove modelos de precificação inteligentes, baseados em plataformas exclusivas de tecnologia, é atraente e tem sido escolhida por um maior número de clientes no país. Isso seguramente chamou a atenção de nosso novo sócio, que tem por missão fazer crescer os negócios italianos no exterior e obter no longo prazo o retorno esperado."

Fundada em 2006, a AlmavivA do Brasil oferece serviços de terceirização de processos de negócios (BPO) para atendimento, televendas, cobrança e back office, além de no segmento de trade marketing. Ela encerrou 2015 com receita bruta de R$ 921,5 milhões, o que a elevou à terceira posição entre as maiores de seu setor no Brasil.

A companhia pertence ao grupo AlmavivA, líder italiano em tecnologia da informação e comunicações, com um total de 57 sedes distribuídas em oito países: Itália, Brasil, Estados Unidos, China, Bélgica, Tunísia, Colômbia e África do Sul nas quais trabalham mais de 45 mil empregados.  A receita registrada pelo grupo em 2015 foi de 709,2 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões pelo câmbio em 31 de dezembro).

Deixe seu comentário