Oferta global de infraestrutura como serviço cresceu 37,3% em 2019

0
21

O mercado mundial de infraestrutura como serviço (IaaS) cresceu 37,3% em 2019, totalizando US $ 44,5 bilhões, ante US$ 32,4 bilhões em 2018, de acordo com o Gartner. A Amazon manteve a primeira posição no mercado de IaaS em 2019, seguida pela Microsoft, Alibaba, Google e Tencent.

"A nuvem sustenta a digitalização dos negócios, que permanece no topo das agendas dos CIOs", diz Sid Nag, vice-presidente de pesquisa do Gartner. "O IaaS habilita tecnologias como edge, AI, machine learning e 5G, entre outras. Cada uma dessas tecnologias exige uma plataforma de infraestrutura escalonável, elástica e de alta capacidade como IaaS em nuvem pública, razão pela qual o mercado testemunhou um forte crescimento."

Em 2019, os cinco principais provedores de IaaS respondiam por 80% do mercado, ante 77% em 2018. Três quartos de todos os provedores de IaaS apresentaram crescimento em 2018.

A Amazon continuou a liderar o mercado mundial de IaaS com uma receita estimada de US$ 20 bilhões em 2019 e 45% do mercado total (consulte a Tabela 1). A empresa aproveitou seu primeiro lugar em 2018 para desenvolver recursos adicionais à camada IaaS na e manter a superiorioridade em 2019.

Table 1. Mercado global de infraestrutura como serviço em nuvem pública, 2018-2019 (Em Milhões de Dólares)


Empresa

Receita 2019

 

Market

Share 2019 (%)

Receita 2018

 

Market

Share 2018 (%)

Crescimento 2018-2019 (%)

Amazon

19,990.4

45.0

15,495.0

47.9

29.0

Microsoft

7,949.6

17.9

5,037.8

15.6

57.8

Alibaba

4,060.0

9.1

2,499.3

7.7

62.4

Google

2,365.5

5.3

1,313.8

4.1

80.1

Tencent

1,232.9

2.8

611.8

1.9

101.5

Others

8,858

19.9

7,425

22.9

19.3

Total

44,456.6

100.0

32,382.2

100.0

37.3

Fonte: Gartner (agosto de 2020)

A Microsoft permaneceu na 2ª posição no mercado de IaaS, com mais da metade de seus quase US$ 8 bilhões em receitas provenientes da América do Norte. A oferta de IaaS da Microsoft cresceu 57,8% em 2019, conforme a empresa aproveitou seu alcance de vendas e capacidade de co-vender suas ofertas do Azure com outros produtos e serviços para impulsionar a adoção.

Provedor IaaS dominante na China, o Alibaba Cloud cresceu 62,4% em 2019 com receita ultrapassando US$ 4 bilhões, ante US$ 2,5 bilhões em 2018. O Alibaba Group continuará a expandir seus negócios de infraestrutura em nuvem nos próximos anos e pretende oferecer serviços inteligentes baseados em soluções para os clientes apoiarem os processo de transformação digital.

A Tencent, também com sede na China, aumentou a oferta de IaaS em mais de 100% em 2019. É a segunda maior provedora de serviços em nuvem daquele país, depois do Alibaba. "À medida que o mercado de nuvem amadurece e seus líderes experimentam uma erosão natural da participação de mercado como resultado, provedores com base na China, como Alibaba, Tencent e Huawei, começarão a ganhar mais tração. Também será difícil para outros provedores, como os provedores de nuvem com base na América do Norte, entrarem no mercado chinês, dado a alta regulamentação imposta pelo país", afirma Sr. Nag.

A receita de IaaS do Google cresceu de US$ 1,3 bilhão em 2018 para US$ 2,4 bilhões em 2019, experimentando um crescimento de 80,1%. Os serviços de nuvem do Google se concentram em fornecer às organizações soluções específicas do setor em infraestrutura de computação robusta. A América do Norte é responsável por quase metade da receita IaaS do Google.

No futuro, o Gartner combinará os segmentos IaaS e plataforma como serviço (PaaS) em uma única oferta de plataforma complementar, infraestrutura em nuvem e serviços de plataforma (CIPS). O mercado mundial de CIPS cresceu 42,3% em 2019 para um total de US$ 63,4 bilhões, ante US$ 44,6 bilhões em 2018. Amazon, Microsoft e Alibaba garantiram as três primeiras posições no mercado CIPS em 2019, enquanto Tencent e Oracle estavam em um empate virtual pelo Não .5 posição com 2,8% do mercado cada.

"Haverá um impulso contínuo de gastos com nuvem como resultado da pandemia do coronavírus", disse o Sr. Nag. "Quando as empresas foram obrigadas a mover seus aplicativos para a nuvem pública como resultado da pandemia, perceberam os verdadeiros benefícios da nuvem pública e é improvável que mudem de rumo. Na fase de recuperação e recuperação, os CIOs estão reconhecendo que não precisam trazer cargas de trabalho de volta às instalações, o que aumentará ainda mais os gastos com nuvem e conduzirá novos aplicativos em torno da colaboração hospedada na nuvem que incorporam tecnologias emergentes, como realidade virtual e experiências de vídeo imersivas."

Deixe seu comentário