Paraná Clínicas adota biometria facial para identificação de pacientes

0
0

A Paraná Clínicas optou por implementar o sistema de biometria facial. A partir de agora, a validação do atendimento em qualquer unidade própria será feita por reconhecimento de características da face do usuário – como as distâncias entre os olhos, nariz e queixo, formato do rosto, cicatrizes e manchas.

Com a nova tecnologia, será possível reduzir o tempo de espera para check-in nos Centros Integrado de Medicina (CIMs) e agregar ainda mais qualidade ao atendimento presencial.

O novo sistema está sendo testado há três meses no CIM Água Verde, em Curitiba (PR). Dos 100 mil clientes da Paraná Clínicas, mais de 30 mil já estão habilitados para utilizar a biometria facial e realizar o check-in por meio dos totens de autoatendimento.

"O projeto foi desenvolvido em duas fases. Na primeira, disponibilizamos apenas a plataforma de coleta das imagens para as atendentes, com câmeras nos guichês da recepção. Depois de uma parte coletada, desenvolvemos os totens com biometria facial", explica o gerente de Tecnologia da Informação da Paraná Clínicas, Givanildo Costa.

O principal objetivo é facilitar o acesso aos serviços de saúde da operadora. "Não vai substituir o atendimento presencial, mas complementar o que já existe. Ganharemos muita agilidade e mais qualidade dentro dos nossos CIMs", completa. Para a gerente de Enfermagem e Atendimento da Paraná Clínicas, Renata Boniotti, mesmo em fase de testes, a diferença já é nítida.

"A tecnologia está assumindo esses papéis rotineiros, e as pessoas o papel de contato, de olho no olho, de humanização. Buscamos diminuir a burocracia para atender com ainda mais qualidade", justifica.

Desenvolvimento

O projeto foi idealizado pela equipe de TI da Paraná Clínicas e construído em parceria com a MPS Informática, empresa especializada no desenvolvimento de softwares com sede em Curitiba. Com os totens em pleno funcionamento nas unidades próprias da operadora no Água Verde, CIC, Araucária e São José dos Pinhais, a gerência de atendimento espera habilitar a biometria facial para 50 mil usuários até janeiro.

Depois que toda a carteira de clientes constar no banco de dados da Paraná Clínicas, o sistema de check-in facial poderá ganhar funções adicionais. "É um ponta pé inicial para outros serviços baseados em autoatendimento, como o agendamento de consultas e a retirada de exames", indica o gerente de TI. "Estamos em um processo de adaptação, porque o cliente está habituado a chegar e entregar a carteirinha para atendimento, mas já temos bons resultados", completa Renata.

Deixe seu comentário