Microsoft e Banco Espírito Santo criam fundo para fomento de startups de base tecnológica

0
0

A Microsoft Ventures e a Besaf – BES Ativos Financeiros, por meio da Espírito Santo Ventures, anunciam a criação de um fundo de investimento com foco no desenvolvimento de empresas nascentes de base tecnológica — o Brasil Aceleradora de Startups Fundo de Investimento em Participações (FIP), que também conta com a Qualcomm, por intermédio de seu braço de investimentos, a Qualcomm Ventures, e a AgeRio como investidores. A operação já nasce com R$ 10 milhões já captados e potencial para atingir até R$ 300 milhões para fomento de startups e aceleradoras.

Em comunicado, as empresas dizem que, além do investimento em uma faixa diferenciada, as startups selecionadas contarão ainda com uma rede de parceiros para um processo de aceleração em diversas frentes: mentoria em áreas estratégicas, apoio operacional, apoio tecnológico, espaço físico, business networking e apoio financeiro. Terão também acesso a um fundo de apoio a uma futura segunda rodada de investimento, isto é, quando a empresa estiver mais madura.

Serão oferecidos investimentos entre R$ 120 mil e R$ 3 milhões, faixa onde as startups geralmente não encontram apoio de aceleradoras ou fundos para gerar seu crescimento.  O alvo são startups de base tecnológica que possam contribuir para fortalecer a economia brasileira, trazendo soluções concretas para áreas-chave como educação, defesa e segurança cibernética, saúde, petróleo e gás, energia, aeroespacial e aeronáutica, eventos esportivos, agricultura e meio ambiente, finanças, telecomunicações, mineração e tecnologias estratégicas, como nuvem, mobilidade e computação avançada de alto desempenho.

Rede de aceleradoras

Neste primeiro momento, o fundo utilizará o processo de seleção da Acelera Partners, rede de aceleradoras constituída pelo fundo e por sócios independentes, para atrair as startups. A Microsoft Ventures, conselheira técnica do fundo, fará a recomendação das startups e aceleradoras para posterior seleção  à BESAF, que é responsável pelo investimento, de acordo com o regulamento.

Para ser selecionada, a startup deve ter faturamento anual mínimo R$ 120 mil e R$ 3 milhões. O nível de maturação da empresa definirá a etapa de incentivo na qual será enquadrada. Para aquelas em início de implantação e que têm faturamento zero, há uma etapa de aceleração — primeiro ciclo —, que será gerenciada pela Acelera Partners.

As empresas que vencem esta etapa inicial de constituição entram em nova etapa — segundo ciclo — para se prepararem para receber investimentos do fundo, conseguindo chegar a um faturamento de R$ 300 mil. As empresas que vencerem estas duas etapas estarão habilitadas a pleitear o investimento do fundo Brasil Aceleradora de Startups.

"Esta é uma combinação única que contempla uma aceleradora de startups e um fundo de investimento, o que permitirá a criação de verdadeiros ciclos de superaceleração. Queremos ajudar empreendedores a transformar ideias brilhantes em empresas de sucesso", afirma Mariano de Beer, presidente da Microsoft Brasil.

"Há muitas oportunidades interessantes entre as startups, e, além do ganho financeiro, o investimento promove o crescimento do país. O Brasil se tornou um grande polo tecnológico de empresas em desenvolvimento. As coisas estão acontecendo aqui e agora, sendo assim, o Espírito Santo quer participar ativamente deste processo", diz o diretor-presidente do BES Investimento do Brasil, Ricardo Espírito Santo.

Deixe seu comentário