Deloitte lança solução digital para triagem e acompanhamento de pacientes com suspeita de covid-19

0
0

A Deloitte acaba de finalizar uma solução digital para triagem de pacientes com suspeita de covid-19. A plataforma é dedicada a hospitais públicos e privados, redes de clínicas médicas e operadoras de planos de saúde.

A solução tem a função de pré-diagnosticar eventuais casos de covid-19 a distância, evitando que pessoas possivelmente infectadas pelo novo coronavírus saiam de casa e aumentem o risco de contaminação de terceiros ou que contraiam a doença indo ao hospital sem necessidade.

Se uma pessoa estiver em dúvida sobre os sintomas que está sentindo e se esses podem estar relacionados à covid-19, basta acessar a ferramenta por um navegador de internet e completar informações como idade, doenças pré-existentes e descrição dos sintomas. A partir dessa coleta de dados, a plataforma descarta casos negativos e classifica os quadros suspeitos de covid-19 em leve/moderado ou grave.

Em casos de sintomas leves, os profissionais de saúde daquele hospital ou clínica fazem todo o atendimento e acompanhamento do paciente de maneira remota, indicando tratamentos e monitorando a evolução de cada caso, evitando, assim, a sobrecarga nos hospitais e os riscos de alastramento da doença. Se o caso for grave, acometendo um paciente de um grupo de risco, por exemplo, as recomendações variam de acordo com cada situação clínica e podem indicar a ida ao hospital e realização de exames.

A ferramenta recém-criada pela Deloitte serve, ainda, como um banco de dados que pode contribuir com as estatísticas oficiais sobre a doença no Brasil, uma vez que ela registra todo o ciclo dos pacientes e os tratamentos utilizados por cada médico. Além disso, a solução disponibiliza diversos conteúdos sobre prevenção à covid-19. Embora tenha sido lançada em meio à pandemia do novo coronavírus para ajudar no combate à doença, a solução veio para ficar e, futuramente, servirá de apoio ao diagnóstico e tratamento das mais diversas enfermidades, como H1N1, dengue e sarampo.

Deixe seu comentário