Pesquisa avalia baixa adesão dos consumidores na contratação de seguros para dispositivos tecnológicos

0
15

O smartphone é o principal aliado da vida conectada dos brasileiros, mas também é um dos responsáveis pelos maiores índices de frustração quando se fala em itens eletrônicos entre os consumidores. Esse foi um dos destaques da Pesquisa "A Década Conectada 2020", realizada pela primeira vez no Brasil pela Assurant, líder global em produtos e serviços de proteção ligados a vida conectada. O objetivo foi entender os principais anseios e necessidades dos consumidores em cada localidade, para poder atendê-los de maneira assertiva na oferta de soluções e proteção de seus bens.

A ampliação do acesso à internet e a dispositivos móveis vêm alterando o comportamento social e o grau de importância desses dispositivos na vida das pessoas. Na pesquisa conduzida pela Assurant no Brasil, o destaque para o smartphone como item mais valorizado pela população, também revelou que 55% dos entrevistados demonstraram já terem tido problemas relacionados à manutenção e performance do dispositivo. Aproximadamente 30% tiveram gastos adicionais relacionados a solução dos problemas nos equipamentos e, além dessas pessoas outros 10% não conseguiram ter o seu problema resolvido apesar de terem despendido alguma quantia para essa finalidade.

Considerando outros itens como carros, notebooks, TVs e tablets, 86% dos entrevistados relataram terem se frustrado com os aparelhos. 52% adquiriram um serviço de proteção de seu smartphone, 30% diretamente via fabricante. 75% que não adquiriram proteção por falta de oferta, ou desinteresse por não ter expectativas atendidas em relação aos termos dos serviços, ou preço.

Segundo o vice-presidente da Assurant, Vladimir Freneda (foto), o grupo busca antecipar tendências do mercado consumidor para se antecipar a evolução das necessidades dos consumidores, desenvolver produtos e serviços inovadores e oferecer uma experiência diferenciada aos clientes. Além do seu portfólio incluir e soluções para proteção de dispositivos móveis, ela oferece por exemplo garantia estendida, serviços de proteção de veículos, seguro prestamista, entre outros produtos especiais.

Proteção de smartphones: algo pouco difundido no Brasil 

No levantamento, 48% dos entrevistados não adquiriram nenhum serviço de proteção. Deste total, 75% afirmaram não ter feito por falta de conhecimento sobre a oferta, entre outras razões.

"Esse cenário abre oportunidade para oferta de novos serviços que atendam às expectativas dos consumidores. Embora o Brasil ainda tenha baixos índices de adesão a seguros e prevenção de forma geral, a cultura do seguro vem crescendo a cada ano, principalmente pela percepção de comodidade e economia quando eventos inesperados acontecem. No caso dos smartphones, seja para um simples reparo ou até a necessidade de reposição do bem, a conclusão a que se chega é que o custo-benefício é bastante vantajoso, em especial quando oferecido por empresas especializadas e de confiança", complementa Ricardo Fiuza, Presidente da Assurant no Brasil.

Ao levar em consideração que, de acordo com a pesquisa, a principal preocupação está relacionada à performance dos aparelhos, próximo a 70% dos entrevistados demonstraram interesse em adquirir um plano de proteção ou garantia estendida que considere a cobertura de danos ou falhas mecânicas em todos os equipamentos conectados que possuem. Ao mesmo tempo que relataram vulnerabilidades relacionadas ao uso de dados pessoais. Cerca de 50% dos entrevistados afirmaram se preocupar com delitos digitais, como roubo de identidade ou de dados relacionados ao cartão de crédito, por já terem vivenciado tal situação.

"Ao entender seus anseios e temores, buscamos sempre ofertar soluções que tragam mais segurança aos consumidores. Mantemos nosso compromisso com a confidencialidade de informações para garantir os melhores serviços de proteção dos bens, seguindo todos os protocolos de proteção de dados e em linha com todas as determinações dos órgãos reguladores", complementa Fiuza.

Aqui no país foram ouvidos 1.071 adultos acima de 18 anos, além de mais de 5 mil participantes em outros cinco países – Estados Unidos, Canadá, Japão, Reino Unido e Alemanha.

Deixe seu comentário