Com pandemia, gastos com TI cairão 8% em 2020

0
0

O Gartner anunciou que os gastos com TI em todo o mundo devem totalizar US$ 3,4 trilhões em 2020, já prevendo um declínio de 8% em relação a 2019 devido ao impacto da pandemia do Covid-19. Em janeiro, a consultoria previa que os gastos mundiais em TI totalizassem US$ 3,9 trilhões este ano, representando um aumento de 3,4% em relação a 2019.

A nova previsão diz que todos os segmentos de mercado, de software corporativo a serviço de comunicações, sofrerão um declínio em 2020, com dispositivos e sistemas de data center com as maiores quedas nos gastos.

"Os CIOs adotaram a otimização de custos de emergência, o que significa que os investimentos serão minimizados e priorizados em operações que mantêm os negócios funcionando, que será a principal prioridade para a maioria das organizações até 2020", disse John-David Lovelock, distinto vice-presidente de pesquisa da Gartner no estudo.

Já a recuperação, segundo ele, não seguirá os padrões anteriores, pois as forças por trás dessa recessão criarão choques do lado da oferta e da demanda, à medida que as restrições de saúde pública, social e comercial começam a diminuir. "A recuperação requer uma mudança de mentalidade para a maioria das organizações. Não há como voltar atrás. É preciso haver um reset focado em avançar", afirma.

No entanto, o estudo não foi sombrio e observou que o trabalho remoto crescerá e os serviços em nuvem pública serão um ponto brilhante na previsão, crescendo 19% neste ano. Telefonia e mensagens, além de conferências baseadas em nuvem também terão altos níveis de gastos, crescendo 8,9% e 24,3%, respectivamente.

"Em 2020, alguns projetos transformacionais de longo prazo baseados em nuvem podem ser interrompidos, mas os níveis gerais de gastos projetados para 2023 e 2024 serão antecipados para 2022", afirmou Lovelock.

Crescimento no ERP, automação de processos robóticos, análises

Outra pesquisa do Gartner, realizada neste mês com 161 executivos de finanças, mostrou que 24% deles antecipam mais gastos em automação de processos robóticos (RPA), 20% antecipam mais gastos em tecnologias de ERP baseadas em nuvem e 19% antecipam mais gastos em análises avançadas.

"A Covid-19 mudou a maneira como o trabalho é feito pela maioria das organizações da noite para o dia. As empresas agora estão operando em ambientes remotos, com menos funcionários para executar processos-chave e sob imensa pressão de custo. Isso resultou em empresas movendo-se mais rapidamente para a nuvem, aplicando mais robótica em seus processos e expondo a necessidade de tecnologias analíticas avançadas para planejar efetivamente neste ambiente ", disse Alexander Bant, vice-presidente de pesquisa da Prática Financeira do Gartner .

Cisco vê investimento pronto para recuperação de Covid-19

As descobertas do Gartner são apoiadas por grandes players do setor, como Cisco, Arista, Juniper e outros que relataram recentemente impactos nos ganhos do Covid-19.

A Cisco, por exemplo, informou nesta semana que sua receita no terceiro trimestre caiu 8% em relação ao ano anterior, em US$ 12 bilhões. Também previa um declínio adicional da receita entre 8,5% e 11,5% para o próximo trimestre.

O CEO da Cisco, Chuck Robbins, apontou várias áreas em que a empresa espera ver investimentos contínuos por parte dos clientes, apesar das condições atuais, com destaque para a educação, uma vez que as escolas se preparam para as aulas do segundo semestre.

"Como um dos diretores de um dos maiores sistemas dos Estados Unidos me disse, eles usaram tudo o que podiam para colocar os alunos online em março, e agora precisam voltar um passo atrás e criar o verdadeiro e robusto projeto de longo prazo. Eles precisam de arquitetura e estamos trabalhando juntos para isto", disse Robbins.

"Acho que a telessaúde está aqui finalmente e acho que isso mudará para sempre." Como as escolas, ele disse que espera que as organizações de saúde construam uma infraestrutura mais robusta para a telessaúde, diferente do que foi construído para os passar nos últimos meses.

Robbins também observou que as empresas farmacêuticas e fabricantes de medicamentos estão "trabalhando para melhorar sua infraestrutura para toda a pesquisa, construindo sua infraestrutura cibernética por razões óbvias".

"Portanto, há muitas coisas que estão indo muito bem, mas, novamente, você tem setores que estão no coração dessa crise que eu não esperaria fazer investimentos significativos até chegarmos ao outro lado", disse Robbins.

O analista também afirmou que viu muitos clientes que não estão no centro desta crise procurando atualizar equipamentos antigos e usando a pandemia como uma chamada de alerta para modernizar sua infraestrutura.

Alguns CEOs dizem que nunca mais estarão tão despreparados, e se houver uma nova onda da Covid-19, muitos afiram que precisam correr agora.

Deixe seu comentário