Positivo inicia a produção de notebooks e tablets educacionais em Ruanda

0
24

A Positivo BGH, joint venture da Positivo com o grupo argentino BGH, iniciou nesta semana as operações de sua fábrica em Kigali, em Ruanda, marcando a entrada da companhia no continente africano, como resultado de um contrato assinado em novembro do ano passado com o governo ruandês para produção e venda de dispositivos educacionais — notebooks e tablets — no mercado local.

O acordo foi firmado com o Ministério da Educação de Ruanda para contratação de um volume mínimo de 750 mil dispositivos, com cronograma de entregas distribuído ao longo de cinco anos para atender aos alunos de ensinos fundamental e médio. A fábrica está instalada em uma área de 7,5 mil metros quadrados e com capacidade produtiva nominal de 60 mil PCs e tablets por mês.

"Enxergamos a África como um mercado muito interessante para ofertarmos tecnologia de qualidade a preços acessíveis, como já fazemos no Brasil, Argentina e Uruguai, principalmente porque os produtos vão competir de forma justa no mercado local por serem feitos em Ruanda. Somamos 26 anos de atuação com experiências fantásticas nos segmento de tecnologia educacional e estamos confiantes no sucesso dessa iniciativa do governo ruandês", diz Hélio Bruck Rotenberg, presidente da Positivo no Brasil.

O treinamento dos funcionários da fábrica começou em junho, com cerca de 90% da mão de obra de ruandeses. "Nossa ideia é a transferência de conhecimento para a população, integrando-a nesta e em outras unidades que poderão ser construídas em um futuro próximo na África. Nossa prioridade é atender ao cronograma de governo, mas estamos nos preparando para alcançar consumidores finais por meio de vendas diretas e do varejo. Também buscaremos ofertar mais dispositivos em Ruanda, como smartphones, e avaliamos ingressar em outros países africanos que estão atraindo consistente investimento estrangeiro", complementa Rotenberg.

Deixe seu comentário