Publicidade
Início Comunicações Mobile Relatório do Morgan Stanley prevê que vendas do iPhone cairão pela primeira...

Relatório do Morgan Stanley prevê que vendas do iPhone cairão pela primeira vez em 2016

0
Publicidade

Um relatório publicado pelo Morgan Stanley, nesta terça-feira, 15, prevê que as vendas do iPhone cairão pela primeira vez no ano que vem. O estudo do banco norte-americano projeta uma queda nas vendas unitárias do smartphone de quase 6% no ano fiscal da Apple — o que equivale a um declínio de 2,9% no ano calendário de 2016.

No ano fiscal de 2007, o primeiro ano de venda do iPhone no mercado, a fabricante comercializou 1,4 milhão de smartphones. Mesmo no período pós-iPhone 5S, quando o crescimento nas vendas foi mais fraco do que a do modelo anterior, a Apple nunca realmente registrou vendas, em unidades, negativas.

No ano fiscal de 2012, as vendas do iPhone haviam saltado para 125 milhões de unidades e no exercício fiscal de 2015 totalizaram pelo 231 milhões, de acordo com dados compilados pela empresa de pesquisas Statista.

O Morgan Stanley acredita que no ano fiscal de 2016 as vendas do iPhone somarão de 218 milhões de unidades, uma queda de 5,7%, enquanto no ano calendário totalizarão 224 milhões de aparelhos, queda de 2,9%. As previsões são significativamente abaixo das estimativas anteriores de 247 milhões e 252 milhões de iPhones, respectivamente.

O iPhone hoje responde por grande parte dos negócios da Apple: mais de dois terços de suas receitas totais e lucros.

Quais seriam as razões para a queda? A analista Katy Huberty, do Morgan Stanley, aponta os “preços mais altos do iPhone nos mercados internacionais [como a China] e a saturação dos mercados desenvolvidos, o que deve tornar a substituição de aparelhos por modelos mais novos pelos usuários mais lenta”, segundo o site Business Insider.

Outros estudos já previram que as vendas do iPhone poderiam cair em 2016. Em agosto, a Pacific Crest disse que as vendas do iPhone 6 não se “repetiriam” e que os investidores deveriam esperar uma queda. Ming-Chi Kuo, analista da KGI Securities, também previu um declínio ano a ano das vendas no período de férias nos Estados Unidos.

O Morgan Stanley prevê, no entanto, um crescimento de 2% na receita da Apple com o Apple Watch e outros novos serviços no ano fiscal de 2016. O banco aponta o relógio inteligente e a Apple TV como “termómetros” importantes da capacidade de inovação da empresa, sob a liderança de Tim Cook. “Nós também vemos como bons olhões as recentes contratações para a equipe de gestores da Apple em áreas-chave como o varejo, design, saúde, conteúdo digital e recentemente automóveis”, analista Katy Huberty.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Sair da versão mobile