Mercado de impressoras tem alta de 4,1% no primeiro trimestre de 2020, segundo a IDC Brasil

0
0

O mercado de impressoras vendeu 659.468 unidades e cresceu 4,1% no primeiro trimestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019. Do total de unidades, foram 313.084 modelos tanque de tinta, um aumento de 20%, 116.510 foram a laser (- 2,4%), 228.865 foram de cartucho (-9%), e 1.009 foram matriciais (-27,5%). Os resultados são do estudo "IDC Brazil Quarterly Hardcopy Tracker Q12020", realizado pela IDC Brasil.

Segundo Rodrigo Okayama Pereira, analista de mercado da IDC Brasil, o volume de vendas de modelos tanque de tinta comprova tendência de mercado, que vem dando sinais de preferência por essa categoria. Microempresas (de 1-9 funcionários) e pequenas empresas (de 10-99 funcionários) aumentaram em 27,1% e 25,3%, respectivamente, as compras dessas impressoras. No varejo, as vendas desse modelo cresceram 18,1%.

A expansão do home office a partir da segunda quinzena de março também impulsionou o mercado de impressoras tanque de tinta. "Elas são boas opções para quem procura custo-benefício. Por mais que o seu preço seja um pouco mais alto, o investimento pode ser compensado a médio e longo prazo com o suprimento, que oferece maior rendimento", explica Rodrigo. Neste período, a IDC Brasil percebeu pessoas comprando impressoras para usar em casa e empresas alugando ou oferecendo subsídio para seus funcionários fazerem essa compra e continuarem trabalhando durante o distanciamento social causado pela pandemia.

No segmento a laser, a IDC Brasil revela que as fabricantes focaram na oferta de modelos de entrada, que imprimem abaixo de 30 ppm, para empresas. "Essa categoria teve crescimento de 8,5 enquanto as impressoras acima de 31 ppm tiveram queda de 11,1%", diz Rodrigo.

No começo do ano, a IDC Brasil esperava crescimento de impressoras a laser e queda no segmento de tinta, mas aconteceu o contrário. Segundo Rodrigo, a pandemia de covid-19 levou ao adiamento de projetos de bancos e governo, por exemplo, que estavam agendados para o início desse ano. "Com isso, o mercado deixou de contabilizar no primeiro trimestre de 2020 um volume importante de unidades que deveriam ser vendidas se esses projetos tivessem acontecido", revela o analista da IDC Brasil.

As vendas no setor corporativo representaram 65,8% do mercado de impressoras no primeiro trimestre de 2020, com 434.024 unidades. No varejo, as vendas representaram 34,2%, com 225.444 impressoras.

Expectativas

A projeção da IDC Brasil para o mercado de impressão é de queda de dois dígitos no segundo trimestre de 2020 e de retração anual de 5,4%. Entre os fatores, Rodrigo aponta a alta do dólar e o consequente repasse de preços, e os impactos da pandemia de covid-19 no varejo físico. "Há um forte movimento de adoção oumigração para o digital, mas essa adaptação e os resultados não acontecem de uma hora para outra e o resultado de vendas deve ser abaixo do normal para o período. Mas, por outro lado, caso os projetos adiados no primeiro trimestre aconteçam, podem dar fôlego principalmente ao segmento a laser", finaliza o analista da IDC Brasil.

Deixe seu comentário