Rimini Street quer conquistar mercado de serviços de suporte do BD Oracle

0
34

A Rimini Street, provedora global na oferta de suporte independente para softwares Oracle e SAP e parceira Salesforce, divulga os resultados da pesquisa com os licenciados do banco de dados Oracle. O levantamento teve como objetivo compreender os principais desafios, prioridades e estratégias em relação à utilização deste banco de dados.

Entre os três principais desafios, 97% dos entrevistados responderam que o custo está em primeiro lugar. A conformidade das licenças ficou em segundo lugar, com 51%, e as "atualizações mandatórias para manter o suporte" foi o terceiro mais citado, com 50%. Os demais desafios são "segurança, custo e a demanda de esforços para aplicar patches de segurança" (42%), "manter o desempenho/disponibilidade" (34%) e "nível de suporte abaixo das expectativas" (21%). Em relação ao custo do suporte do fabricante, quase 83% dos respondentes afirmaram que os valores de suporte e manutenção do Oracle Database são excessivos. 73% dos entrevistados têm um sentimento de não obter suficiente ou nenhuma melhora expressiva no banco de dados para justificar tal custo.

Com o custo do suporte do fabricante em um contexto de orçamentos e recursos de TI limitados, as empresas estão buscando melhores alternativas para o gerenciamento da estratégia do seu banco de dados, como evitar upgrades desnecessários, mudar para o suporte independente e adotar opções de código aberto. Um exemplo disso é a Rent-A-Center, licenciada Oracle, que encontrou essas soluções por meio do suporte da Rimini Street.

"Temos muitas licenças Oracle e manter os ciclos dessas atualizações dispendiosas é oneroso. Além disso, quando passamos a entender todos os custos embutidos no contrato de manutenção, percebemos que as melhorias oferecidas não traziam um ROI significativo para o negócio e que as atualizações mandatórias para manter o suporte não justificavam os altos valores cobrados", diz Juan Rajani, diretor de serviços de aplicativos de TI da Rent-A-Center. "Mudamos para o suporte independente da Rimini Street para maximizar o sistema de banco de dados de missão crítica, do qual a empresa depende fortemente, e agora temos uma qualidade de suporte superior e ultrarresponsiva – é incomparável."

Os participantes da pesquisa disseram que estão considerando ou mudando para bancos de dados de código aberto (35%) ou bancos de dados em nuvem que não são da Oracle (34%), quando possível, devido aos custos mais atrativos e ao desenvolvimento mais ágil, como parte da estratégia de banco de dados. Já entre os respondentes que consideram adotar os bancos de dados de código aberto, as opções mais citadas foram PostgreSQL, MySQL e MongoDB.

A pesquisa ressalta que uma grande porcentagem dos entrevistados (41%) adotou a estratégia de reduzir, ao longo do tempo, a utilização do footprint da Oracle. O principal motivo para isso é o alto custo de implantação (quase 45%), que inclui gastos com licenciamento, suporte, manutenção, atualização e correção.

Deixe seu comentário