Seaborn investe em cabo submarino para ligar Brasil e Estados Unidos

0
24

A crescente demanda por conectividade e banda larga, está impulsionando o mercado de sistemas de cabos submarinos de fibra ótica, conectando o Brasil com diferentes países. O mais recente investimento de um grande grupo internacional foi anunciado em outubro, para conectar Estados Unidos e o Brasil.

Steve Orlando é o CEO da Seaborn falou sobres os planos da empresa para próximo ano e do primeiro investimento feito em Recife, junto com um consórcio de investidores, para montar um data center para suportar o serviço de tráfego de dados de alta velocidade.

TI Inside Quais são os planos da Seaborn para 2021 após sua reestruturação e após a recuperação judicial da empresa?

Steve – Os planos da Seaborn para 2021 estão focados em continuar a desenvolver nossas habilidades como um desenvolvedor-proprietário-operador líder de sistemas de cabos submarinos de fibra ótica. Além disso, planejamos prosseguir fortalecendo o compromisso de nossa empresa direcionado pela tecnologia e à abordagem do cliente em primeiro lugar ao entregar as soluções de classe mundial das quais nossos clientes confiam. Como decorrência de nossa reestruturação, nossa expectativa é estarmos mais estrategicamente alinhados com as oportunidades de crescimento e esperamos obter resultados positivos com esse momento.

Algumas das iniciativas que já tomamos para nos aproximar de nossa visão e objetivos para 2021 incluem ajudar o BSO, operador global de telecomunicações, a estender sua gama completa de serviços de conectividade para a América Latina, com nosso parceiro, EdgeUno; e para lançar novos serviços de rede submarina no sistema de cabos AMX-1 entre os Estados Unidos e o Brasil com a Infinera. Essas iniciativas por si só ilustram nossa trajetória de crescimento e expansão. A Seaborn está comprometida em atender às necessidades de comunicação nas Américas em nome de empresas com foco global e ávidas por dados, enfatizando nossa busca por inovação, experiência e suporte ao cliente.

TI Inside – Qual é a estratégia e os planos da Seaborn para o Brasil em 2021, pois acaba de lançar o sistema de cabos AMX-1 da Seaborn para ligar o Rio de Janeiro a Jacksonville, Flórida, e também fazer parte do consórcio de investidores Recife Co., como o parceiro tecnológico, para a instalação de um Data Center com tráfego de dados em alta velocidade? 

Steve – Estas são duas iniciativas muito interessantes para a Seaborn. O AMX-1, conectando Rio de Janeiro e Jacksonville, Flórida, está pronto para operar. O consórcio de investidores Recife Co. expande o alcance da empresa no norte do Brasil. Estamos construindo um ramal de 500 quilômetros do Seabras-1, que levará o cabo submarino diretamente para um data center que também iremos construir. Dado que atualmente a área é atendida a partir de Fortaleza, que fica a mais de 400 quilômetros de rede terrestre, isso dará à área uma grande vantagem. Uma base aprimorada de conectividade internacional dará a essa área, que já é um importante hub focado em tecnologia, uma nova liberdade para crescimento, especialmente porque oferece espaço para mais conectividade no sul do Brasil e outras localidades. É aqui que nossos recursos serão alinhados no curto prazo.

TI Inside – Como está o mercado de Edge Computing no Brasil, América Latina e no mundo? Onde há mais oportunidades para a Seaborn? E quais inovações a Seaborn apresenta neste mercado?

Steve  – O mercado de Edge Computing continua a redefinir a infraestrutura de TI e é onde muitos concordariam que estamos conduzindo globalmente como resultado da crescente demanda por melhor desempenho, menor latência e muito mais. A América Latina certamente não é exceção, e espera-se que esse mercado regional de Edge Computing alcance US$ 0,44 bilhão em 2023, crescendo a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 31,1%. A conectividade está no centro da Edge Computing e a coleta e transporte de grandes quantidades de dados que estamos criando com aplicativos centrados em ponta continua a ser uma das principais preocupações. Nossa rede construída no norte do Brasil é um exemplo de nosso compromisso com o aprimoramento de capacidades no Brasil, América Latina e em todo o mundo. Entendemos que novos mercados e soluções de conectividade, como conectar a América do Sul à Flórida, são importantes para os mercados existentes e emergentes.

A Seaborn também está comprometida em aumentar a diversidade de nossos sistemas de rede. Por exemplo, o transporte geograficamente diverso, a linha privada Ethernet e os serviços IP em nosso sistema de cabo AMX-1 estão ajudando a atender à demanda de ponta. Construir nossos recursos de serviço em nossos sistemas ajuda a atender de maneira econômica às crescentes demandas de capacidade dos clientes com soluções confiáveis e de baixa latência. Estamos arquitetando um backbone sólido para uma nova era de requisitos de conectividade, e isso se alinha bem com o suporte ao crescimento de borda.

TI Inside – O que é inovação sustentável? Como a Seaborn oferece inovação sustentável?

Steve – A inovação sustentável está rapidamente se tornando uma prioridade para muitas indústrias, e é uma ideia que o cenário dos cabos submarinos também está trabalhando para se integrar holisticamente. No centro da inovação sustentável está a ideia de que você está reconhecendo a ética ambiental como um princípio empresarial central. Significa permitir que a sustentabilidade funcione como um pilar de sucesso ao lado de outros fatores tradicionalmente priorizados, como custo e desempenho, em vez de um bom complemento ou reflexão tardia.

Os cabos submarinos e o ambiente marinho têm uma estreita inter-relação, o que significa que há grandes riscos para garantir a integridade do cabo e reduzir a quantidade de perturbações no ambiente desse ecossistema. Sendo assim, a Seaborn reconhece a importância da sustentabilidade para alguns de nossos principais clientes e está comprometida em implementar as melhores práticas, soluções e selecionar fornecedores que também se alinhem com esses valores.

A inovação sustentável é um processo em que as considerações de sustentabilidade (ambiental, social, financeira) são integradas aos sistemas da empresa, desde a geração de ideias até a pesquisa e desenvolvimento (P&D) e comercialização.

De fato, a busca pela sustentabilidade já começa a transformar o cenário competitivo, o que forçará as empresas a mudar a forma de pensar sobre produtos, tecnologias, processos e modelos de negócios. A chave para o progresso, especialmente em tempos de crise econômica, é a inovação. Assim como algumas empresas de Internet sobreviveram ao colapso no ano 2000 para desafiar os titulares, também as empresas sustentáveis emergirão da recessão de hoje para desordenar o status quo. Ao tratar a sustentabilidade como uma meta hoje, os pioneiros desenvolverão competências que os rivais terão dificuldade de igualar. Essa vantagem competitiva os manterá em boa posição porque a sustentabilidade sempre será parte integrante do desenvolvimento.

A inovação em sustentabilidade reflete a próxima geração de pensamento sobre desenvolvimento econômico. Ele acopla a proteção ambientalista dos sistemas naturais com a noção de inovação corporativa, ao mesmo tempo que fornece bens e serviços essenciais que atendem a objetivos sociais de saúde humana, equidade e justiça ambiental. É a onda de inovação que impulsiona a sociedade em direção à tecnologia limpa, economia verde e comércio limpo. É a combinação de esforços positivos, pragmáticos e otimistas de pessoas em todo o mundo para remodelar o desenvolvimento econômico em um processo que aborde os desafios fundamentais da pobreza, justiça ambiental e escassez de recursos. No nível organizacional, o termo inovação em sustentabilidade se aplica ao design de produtos / serviços e processos, bem como à estratégia da empresa.

TI Inside  – Qual a principal demanda do Brasil e da América Latina em termos de conectividade? E os serviços em nuvem devem se expandir além das outras opções de serviço oferecidas pela Seaborn?

Steve – À medida que continuamos trabalhando para superar uma crise global de saúde, a principal demanda nessas regiões tem sido a capacidade. Nas primeiras semanas da COVID-19, nossos clientes, e até mesmo alguns novos, precisavam de mais capacidade, e precisaram dela imediatamente. Era a diferença entre sucesso e fracasso. Felizmente, conseguimos entregar o que em alguns casos eram centenas de gigabites em 24 horas, o que fez uma grande diferença. No primeiro semestre do ano, aumentamos o tráfego de clientes em pouco mais de um terabits e meio – o que é muito para os Estados Unidos e Brasil.

Essa demanda continua forte à medida que os locais de trabalho se tornam remotos e as empresas incorporam mais aplicativos online, e a nuvem é uma parte importante desse consumo. A capacidade de provisionar nuvem dinamicamente é um grande trunfo no momento. Nossa oferta SeaCloud é ótima para uma estratégia de pagamento conforme você cresce, que muitos estão procurando agora.

TI Inside – Quais são as tendências para 2021 na indústria de cabos submarinos?

Steve – Os investimentos em cabos submarinos continuarão a prosperar. O ano de 2020 foi um sinal de alerta para muitos sobre a verdadeira importância da conectividade global, e construir essa atividade provavelmente seguirá com essa perspectiva em mente. As OTTs, provavelmente, ainda estarão na vanguarda desse desenvolvimento contínuo à medida que buscam aumentar sua largura de banda e eficiência de custos, e podemos ver mais modelos de copropriedade com operadoras de telecomunicações emergindo como investidores e operadoras mais fortes também. Além disso, a colaboração entre os provedores de cabo submarino e as operadoras de data center aumentará tendo em vista que o mundo busca continuar a arquitetar uma malha contínua de conectividade que se estende além dos hubs tradicionais.

Deixe seu comentário