Google anuncia novas experiências e avanços no uso da tecnologia

0
122

Na abertura do principal evento para desenvolvedores do Google, o I / O Developers Conference, que aconteceu no campus em Mountain View. EUA, nessa terça-feira, 18, o CEO Sundar Pichai, fez uma série de anúncios de inovações da gigante das buscas.

Segundo ele, o ano passado colocou muita coisa em perspectiva. "No Google, também é dado um propósito renovado à nossa missão de organizar as informações do mundo e torná-las universalmente acessíveis e úteis. Continuamos a abordar essa missão com um objetivo único: construir um Google mais útil para todos. Isso significa ser útil às pessoas nos momentos que importam e dar a todos as ferramentas para aumentar seu conhecimento, sucesso, saúde e felicidade".

"Às vezes, trata-se de ajudar em grandes momentos, como manter 150 milhões de alunos e educadores aprendendo virtualmente no último ano com o Google Sala de aula. Outras vezes, trata-se de ajudar em pequenos momentos que resultam em grandes mudanças para todos. Por exemplo, estamos introduzindo um roteamento mais seguro no Maps. Este recurso alimentado por AI no Maps pode identificar as condições da estrada, do clima e do tráfego onde você provavelmente travará repentinamente; nosso objetivo é reduzir até 100 milhões de eventos como este a cada ano", disse.

Um dos anúncios foi a linguagem natural LaMDA, um modelo de linguagem para aplicativos de diálogo. É de domínio aberto, o que significa que foi projetado para conversar sobre qualquer assunto. Por exemplo, o LaMDA entende bastante sobre o planeta Plutão. Portanto, se um aluno quisesse descobrir mais sobre o espaço, ele poderia perguntar sobre Plutão e o modelo daria respostas sensatas, tornando o aprendizado ainda mais divertido e envolvente. Se aquele aluno quisesse mudar para um tópico diferente – digamos, como fazer um bom avião de papel – o LaMDA poderia continuar a conversa sem nenhum retreinamento.

O LaMDA atenda aos padrões elevados de justiça, precisão, segurança e privacidade, e vai incorporar seus recursos de conversação em produtos como Google Assistant, Search e Workspace, bem como explorar como fornecer recursos para desenvolvedores e clientes empresariais.

"O LaMDA é um grande passo à frente na conversa natural, mas ainda é treinado apenas no texto. Quando as pessoas se comunicam, elas o fazem por meio de imagens, texto, áudio e vídeo. Portanto, precisamos construir modelos multimodais (MUM) para permitir que as pessoas façam perguntas naturalmente sobre diferentes tipos de informação. Com o MUM, você poderia um dia planejar uma viagem pedindo ao Google "um trajeto com belas vistas da montanha". Este é um exemplo de como estamos progredindo em direção a maneiras mais naturais e intuitivas de interagir com a Pesquisa", disse o CEO.

Fronteira da computação

Também anunciou a próxima geração de TPUs: a TPU v4. Eles são alimentados pelo chip v4, que é mais de duas vezes mais rápido que a geração anterior. Um pod pode fornecer mais de um exaflop, equivalente ao poder de computação de 10 milhões de laptops combinados. Este é o sistema mais rápido já implantado e um marco histórico. Anteriormente, para chegar a um exaflop, você precisava construir um supercomputador personalizado. E em breve haverá dezenas de pods TPUv4 nos data centers do Google, muitos dos quais estarão operando com ou perto de 90% de energia livre de carbono.

"Continuamos trabalhando para chegar ao nosso próximo grande marco na computação quântica: construir um computador quântico com correção de erros, que poderia nos ajudar a aumentar a eficiência da bateria, criar energia mais sustentável e melhorar a descoberta de medicamentos. Para nos ajudar a chegar lá, abrimos um novo campus avançado da Quantum AI com nosso primeiro data center quântico e instalações de fabricação de chips processadores quânticos", explicou o CEO.

Também anunciou o Auto-Delete, que incentiva os usuários a ter seus dados de atividade automaticamente e continuamente excluídos, está agora ativo. "Desde dois anosa atrás, tornamos a exclusão automática o padrão para todas as novas contas do Google. Agora, após 18 meses, excluímos automaticamente seus dados de atividade, a menos que você nos diga para fazer isso antes. Agora está ativo para mais de 2 bilhões de contas".

Pesquisa de longo prazo: Projeto Starline

O Projeto Starline combina avanços em hardware e software para permitir que amigos, famílias e colegas de trabalho se sintam juntos, mesmo quando estão em cidades ou países, que propiciará um grande avanço no novo ambiente de trabalho remoto.

Há vários anos atrás o Google iniciou um projeto chamado Projeto Starline para usar a tecnologia para explorar o uso de câmeras de alta resolução e sensores de profundidade personalizados, que captura sua forma e aparência de várias perspectivas e, em seguida, as funde para criar um modelo 3D em tempo real extremamente detalhado. Os dados resultantes são muitos gigabits por segundo, portanto, para enviar uma imagem desse tamanho pelas redes existentes, desenvolveu novos algoritmos de compressão e streaming que reduzem os dados por um fator de mais de 100. Também desenvolveus um visor de campo de luz inovador que mostra você a representação realista de alguém sentado à sua frente. Por mais sofisticada que seja a tecnologia, ela desaparece, então você pode se concentrar no que é mais importante.

"Passamos milhares de horas testando-o em nossos próprios escritórios e os resultados são promissores. Também há entusiasmo por parte de nossos principais parceiros empresariais, e estamos trabalhando com parceiros na área de saúde e mídia para obter feedback antecipado. Ao expandir os limites da colaboração remota, fizemos avanços técnicos que irão aprimorar todo o nosso pacote de produtos de comunicação. Esperamos compartilhar mais nos próximos meses", acrescentou.

Projeto Starline

EGS
Outra área de pesquisa do Google visa impulsionar a sustentabilidade. A sustentabilidade tem sido um valor fundamental para o Google, que foi a primeira grande empresa tech a se tornar neutra em carbono em 2007. Foi o primeiro a equipar suas operações com energia 100% renovável em 2017, e tem feito isso desde então. No ano passado, eliminou o legado de carbono.
"Nossa próxima ambição é a maior até agora: operar com energia livre de carbono até o ano 2030. Isso representa uma mudança significativa em relação às abordagens atuais e é um disparo lunar na mesma escala da computação quântica. Ele apresenta problemas igualmente difíceis de resolver, desde a obtenção de energia livre de carbono em todos os lugares em que operamos até a garantia de que ela funcione a cada hora do dia", disse Pichai.

Google Quantum_AI_Lab

Com base na primeira plataforma de computação inteligente de carbono lançada no ano passado, o Google quer ser a primeira empresa a implementar o deslocamento de carga inteligente de carbono ao longo do tempo e do local em sua rede de data center. No próximo ano vai transferir mais de um terço dos cálculos de não produção para tempos e locais com maior disponibilidade de energia livre de carbono. "E estamos trabalhando para aplicar nosso Cloud AI com novas técnicas de perfuração e sensoriamento de fibra óptica para fornecer energia geotérmica em mais lugares, começando em nossos data centers de Nevada no próximo ano".

Deixe seu comentário