Campanha de phishing usa Office 365 contra servidores da Samsung, Adobe e Universidade de Oxford

0
0

Os pesquisadores da Check Point Software revelam uma sofisticada campanha de phishing projetada para coletar dados de empresas armazenados nas contas do Microsoft Office 365. Para evitar a detecção por software de segurança, a campanha adotou nomes respeitáveis de organizações para ignorar os filtros de proteção. Nesse caso, os nomes foram os da Universidade de Oxford, da Adobe e Samsung.

Nos últimos anos, a adoção do Office 365 no setor corporativo aumentou significativamente. Sua popularidade atraiu a atenção de cibercriminosos, os quais lançam campanhas constantes de phishing especificamente para atacar esta plataforma. Como 90% dos ciberataques começam com uma campanha de phishing, o Office 365 é um alvo atraente para os atacantes que trabalham para escapar das soluções de segurança continuamente implementadas.

Recentemente, uma campanha de phishing do Office 365, aparentemente pouco sofisticada, chamou a atenção dos pesquisadores da Check Point. Os atacantes aproveitaram-se do mecanismo de redirecionamento do produto Adobe Campaign usando um domínio da Samsung para redirecionar as vítimas para um site de phishing com tema do Office 365. Os hackers valeram-se do fato de que o acesso a um domínio respeitável, como o da Samsung, não seria bloqueado por um software de segurança.

Para expandir sua campanha, os atacantes também comprometeram vários sites ao introduzir um script que imita o mesmo mecanismo oferecido pelo serviço de redirecionamento da Adobe. Investigações posteriores revelaram que os atacantes por trás da campanha implementaram alguns outros truques interessantes para ocultar o kit de phishing e evitar a detecção em cada estágio do ataque.

Assim, os pesquisadores da Check Point descobriram que esta campanha de phishing do Office 365 usou serviços confiáveis para permitir um novo ataque. Os cibercriminosos invadiram o servidor de e-mail da Universidade de Oxford para enviar e-mails maliciosos às vítimas. Essas mensagens continham links redirecionados para um servidor Adobe usado pela Samsung no passado, permitindo que os atacantes aproveitassem a aparência de um domínio legítimo da Samsung para enganar as vítimas com sucesso. Por fim, as vítimas foram levadas a um caminho fraudulento para compartilhar suas credenciais de acesso do Office 365.

Sequestro do servidor de e-mail da Universidade de Oxford

No início de abril de 2020, os pesquisadores da Check Point começaram a observar os e-mails enviados às vítimas intitulados "missed voice message" ("mensagem de voz perdida") ou "Office 365 Voice Mail". Aproximadamente 43% desses ataques atingiram empresas europeias, enquanto o restante foi observado na Ásia e no Oriente Médio. Os textos dos e-mails indicavam que uma mensagem de voz recebida estava no portal de voz da vítima, e solicitavam que os usuários clicassem em um botão que supostamente os levaria à sua conta do Office 365 para tomar medidas adicionais.

A maioria dos e-mails originaram de vários endereços pertencentes a subdomínios legítimos de diferentes departamentos da Universidade de Oxford. Os cabeçalhos de e-mail mostram que os atacantes encontraram uma maneira de explorar um dos servidores SMTP (protocolo de transferência de e-mail simples) de Oxford, um aplicativo que tem como principal objetivo enviar, receber e/ou retransmitir mensagens de saída entre remetentes e destinatários de e-mail. O uso de servidores SMTP Oxford legítimos permitiu que os atacantes passassem na verificação de reputação exigida pelas medidas de segurança do domínio do remetente.

Redirecionamentos da URL confiável da Samsung

No ano passado, os redirecionamentos abertos do Google e da Adobe foram usados por campanhas de phishing para adicionar legitimidade às URLs usadas nos e-mails de spam. Um redirecionamento aberto é uma URL em um site que pode ser usada por qualquer pessoa para redirecionar os usuários para outro site. Nesse caso, os links no e-mail são desviados para um servidor Adobe usado anteriormente pela Samsung durante uma campanha de marketing de "Cyber Monday" de 2018. Em outras palavras, o link incorporado no e-mail de phishing original faz parte da família de domínio confiável da Samsung que, sem saber, redireciona as vítimas para um site hospedado pelos atacantes.Ao usar o formato de link específico do produto Adobe Campaign e o domínio legítimo, esses atacantes aumentaram as chances de a mensagem ignorar as soluções de segurança de e-mail com base na reputação, listas negras e padrões de URL.

"O que parecia ser uma clássica campanha de phishing do Office 365, acabou sendo uma obra-prima em termos de estratégia, pois adotaram marcas conhecidas e respeitáveis para evitar produtos de segurança. Atualmente, essa é uma técnica importante para estabelecer uma posição dentro de uma rede corporativa", explica Lotem Finkelsteen, diretor de Inteligência de Ameaças da Check Point.

De acordo com Finkelsteen, o acesso ao correio corporativo pode permitir que atacantes tenham acesso ilimitado às operações corporativas, como transações, relatórios financeiros, enviando e-mails internos a partir de uma fonte confiável, senhas e até endereços dos ativos em nuvem da empresa. "Para desencadear o ataque, o cibercriminoso teve que obter acesso aos servidores da Samsung e Universidade de Oxford, o que significa que ele teve tempo de entender o funcionamento interno, permitindo que ele passasse despercebido", detalha Finkelsteen.

Deixe seu comentário