Tribunal Regional do Trabalho do RS troca infraestrutura de TI, revê contrato com telcos e ganha eficiência

1
30

A renovação completa da infraestrutura de rede do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região – TRT4, tornou o órgão público apto a realizar uma expansão de sistemas, que deu mais liberdade para a contratação de links de internet, gerou economia e ampliou a capacidade de acesso a documentos para diferentes públicos.

Esse é o resumo do projeto ganho em licitação e implementado pela Nap IT no TRT4. A Nap IT – Global Network Solutions, empresa brasileira especializada em consultoria de redes corporativas e integração de soluções em TI, participou do processo licitatório promovido pelo poder judiciário e foi escolhida tanto pelo melhor preço como pelo atendimento dos requisitos técnicos.

O objetivo do projeto era a troca dos equipamentos legados, que deveriam ocorrer por conta do fim do suporte, ou seja, o fim de suas vidas úteis. Os equipamentos de rede, principalmente roteadores de saída, e storages para armazenamento formaram a maior parte dos itens substituídos no projeto, que começou em novembro e terminou em dezembro de 2019.

"A troca trouxe ganhos tecnológicos, uma vez que o parque instalado apresentava velocidade limitada", explica Alexsandro Reimann, engenheiro de rede sênior da Nap IT. Entre os novos equipamentos, que são da marca Cisco, estão os roteadores ASR 1001 e switches MDS 9148.

Requisitos e treinamento

A Nap IT explorou a arquitetura dos novos equipamentos para obtenção de melhor performance no acesso à internet. Com a renovação dos modelos e o ganho de portas, a limitação de interfaces de tráfego subiu de 8 Gbps (gigabits por segundo) para 16 Gbps – o dobro da capacidade de acesso e leitura de dados no ambiente de storage.

"É uma grande performance para a rede do tribunal", comenta Igor Gabineski, gerente regional de vendas da Nap IT. "O aumento da velocidade era uma necessidade importante, tanto que o TRT4 trocou outras soluções da rede para atingir a capacidade máxima de processamento."

Segundo Reimann, o projeto foi desafiador em alguns aspectos. Um deles foi o curto prazo de entrega e as dificuldades de importação dos equipamentos necessários, "que tivemos que contornar", conta o executivo.

Durante a integração, embora a topologia da rede tenha sido quase toda mantida, as configurações das soluções foram revisadas para melhor aproveitamento das novas tecnologias Cisco. A metodologia aplicada foi o Tuning de Rede, que permitiu assegurar padrões e melhores práticas de segurança e performance, reduzindo a complexidade da infraestrutura.

Além dos requisitos técnicos para a implantação das tecnologias, a Nap IT também foi responsável pelo treinamento do TRT4 para a operação das soluções. A certificação para treinamento dos profissionais da integradora gaúcha foi um dos itens considerados na descrição do projeto.

Outro aspecto considerado foi o contrato de garantia de cinco anos do TRT4 com a Nap IT, que inclui suporte do fabricante, análise de problemas na rede, reposição ou trocas de peças por falhas, entre outros aspectos.

Resultados positivos

Entre os ganhos do projeto está a possibilidade do TRT4 revisar contratos com operadoras de telecomunicações, obtendo economias e expandindo a quantidade de provedores, se necessário. A capacidade de armazenamento (storage) também foi expandida para futuras aquisições de servidores, criando bases para a transformação digital de tribunais do trabalho espalhados por todo o Rio Grande do Sul.

"A conexão interna de todos os tribunais do estado do Rio Grande do Sul, no âmbito federal, passa pelo TRT4. Quando se fala dos roteadores, todos os tribunais do trabalho do estado receberam esse projeto como benefício", pondera Reimann. "Considerando switches e storages, temos a mesma situação, as principais aplicações do tribunal ganharam a possibilidade de aumento de performance a partir do projeto."

Aplicações como o Processo Judicial eletrônico (PJe), por exemplo, além do armazenamento de dados de processos trabalhistas, passam pelos equipamentos instalados pela Nap IT no TRT4. "Isso também beneficia outros stakeholders, como os advogados habilitados e a própria população", reforça Gabineski.

1 COMENTÁRIO

Deixe seu comentário