Acusações de falsificação e suborno contra Alibaba levam fundos de hedge a vender ações da companhia

0
8

Os fundos de hedge Point 72 e Appaloosa Management, dos bilionários Steve Cohen e David Tepper, respectivamente, venderam toda participação no gigante chinês do comércio eletrônico Alibaba no último trimestre, juntamente com mais de uma dúzia de outros fundos multimercado.

Ao todo, 20 investidores se desfizeram de suas carteiras de ações no Alibaba até o fim de dezembro do ano passado — dos quais 19 eram fundos de hedge, de acordo com dados da empresa de pesquisa financeira FactSet.

A saída desses fundos foi feita de maneira fortuita, quase secreta, para evitar que as ações caíssem em janeiro. A debandada está relacionada às receitas decepcionantes do Alibaba e às investigações do órgão regulador chinês sobre a empresa por não coibir promoções enganosas em suas lojas online, bem como a venda por vendedores obscuros de produtos falsificados e práticas de suborno.

Acusações

O gigante chinês é acusado especificamente de permitir que comerciantes operassem sem as licenças comerciais exigidas, de manter lojas não autorizadas que se apropriam de marcas famosas e de vender bolsas de mão e vinhos falsos, além de funcionários terem aceitado subornos. O site também é denunciado por não corrigiu falhas nos feedbacks dos clientes, nem nos sistemas internos de pontuação de crédito, segundo relatório da Administração Estatal para a Indústria e o Comércio da China, divulgado no mês passado.

A Administração Estatal para a Indústria e o Comércio disse que o Alibaba também permitia a venda de contrabando, como cigarros e bebidas alcoólicas falsificados, e de itens "que ameaçam a segurança pública", como facas e aparelhos para escuta telefônica.

O fundo asiático Point72, de Cohen, vendeu 500 mil ações. Já o Appaloosa Management, de Tepper, se desfez de 725 mil ações, enquanto o fundo Eton Park, de Eric Mindich, vendeu 1,2 milhão de ações. Outros de fundos de hedge que se desfizeram de suas posições na companhia chinesa foram o Farallon Capital, que vendeu 530,8 mil ações, e o Leon Cooperman Omega Advisors, que se desfez de 410 mil ações.

O megainvestidor George Soros, porém, manteve as 4,4 milhões de ações em seu poder, no valor de US$ 382 milhões, mantendo-se inalterada no último trimestre, de acordo com a FactSet. E houve também alguns fundos de hedge que compraram ações do Alibaba, no mesmo período, como o Tiger Global Management, Tudor Investimentos e Och-Ziff Capital Management.

A despeito disso, analistas avaliam que a crise de credibilidade envolvendo o Alibaba gera má influência no mercado, o que pode levar outros investidores a deixar suas posições na empresa. Com informações de agências de notícias internacionais.

Deixe seu comentário