Como arquiteturas digitais antigas afugentam os clientes

0
0

Recentemente, estive fazendo compras em uma megastore e passei por um quiosque, onde conheci um produto que estava sendo exibido em um totem eletrônico. Depois de assistir ao vídeo, fiquei interessado em comprar o produto mas o preço era maior do que eu estava disposto a gastar. Até que, ao final do vídeo, eles me ofereceram um cupom promocional, finalmente me convencendo a comprá-lo. Tudo o que eu precisava fazer era dar o meu e-mail para ter esse cupom.

Foi o que fiz. E, então, atualizei minha caixa de entrada para pegar o cupom. E atualizei de novo. E mais uma vez. E outra. Nenhum cupom. Me certifiquei e não havia nada de errado com o meu e-mail, já que outras mensagens estavam sendo entregues normalmente. Finalmente, eu decidi continuar com as minhas compras na loja, ao invés de ficar ali no quiosque. No final das contas, eu recebi o cupom, depois que já estava em casa, bem longe do quiosque.

Infelizmente para o fabricante desse produto, uma venda foi perdida porque não houve o engajamento certo comigo, um potencial cliente, imediatamente quando a oportunidade foi criada. Quando finalmente isso aconteceu, ela já havia sido perdida e, talvez, nunca seja criada novamente.

É claro que não sei os detalhes do provedor da arquitetura de TI que estava por trás dessa minha experiência, mas estou inclinado a apostar que ali estava uma arquitetura antiga que era lenta, difícil de ser alterada e de executar processos em lote.

O ambiente de negócios de hoje, no entanto, exige uma nova visão – uma arquitetura moderna baseada nas principais tecnologias. Uma arquitetura moderna funciona em tempo real, é dimensionada para atender a qualquer demanda e pode ser adaptada rapidamente para atender às mudanças nas condições dos negócios. Uma arquitetura moderna não suporta apenas uma empresa de grande porte, mas permite que ela se transforme de várias maneiras. Por exemplo, com uma arquitetura moderna, sua organização pode:

• Executar os processos de negócios com muito mais velocidade, mais inteligência e maior agilidade para atender a negócios em constante evolução;

• Criar experiências que encantam os clientes e tornam os clientes mais fiéis às marcas;

• Descobrir e capitalizar oportunidades que podem levar a novas vendas, produtos e diferenciais competitivos; e

• Identificar e mitigar situações em que a empresa, clientes e parceiros possam estar expostos a riscos.

A nova arquitetura permite que os processos sejam executados com muito mais velocidade, inteligência e agilidade para lidar com condições de negócios em constante mudança, criando experiências que surpreendem os consumidores e aumentam a fidelidade com as marcas. Ao mesmo tempo, também possibilita que a empresa identifique e mitigue situações que a exponha ao risco.

Os quatro pilares fundamentais de uma arquitetura moderna

ü Nativo de nuvem

Primeiro, ele é nativo de nuvem, pois tira o máximo dos recursos que as plataformas em nuvem oferecem. Uma abordagem nativa de nuvem divide aplicativos grandes e monolíticos e os implanta na nuvem como pequenos e coesos serviços, como micro serviços ou funções, que são mais facilmente evoluídos, implantados e dimensionados. Esses serviços são conectados juntos e gerados rapidamente pela plataforma em nuvem, quando necessário, e finalizados quando o processamento é concluído, para que a quantidade certa de recursos de computação seja disponibilizada imediatamente para atender a qualquer nível de demanda (como um grande número de clientes solicitando um cupom para o produto) sem a necessidade de intervenção humana. Uma abordagem nativa de nuvem torna a empresa mais escalável e ágil.

ü Orientação por eventos

Em seguida, uma arquitetura moderna é orientada por eventos. Ela identifica todas as "coisas" que acontecem no seu ecossistema a cada segundo – eventos que podem representar oportunidades ou ameaças para a empresa. Isso pode incluir picos nos dados ambientais de sensores incorporados em contêineres de transporte ou detalhes do engajamento de um cliente em um quiosque no varejo. Pode ser qualquer coisa que aconteça em qualquer lugar e a qualquer momento que a empresa queira saber. Uma arquitetura moderna é capaz de detectar e reagir em tempo real a esses eventos, porque geralmente a capacidade de agir dura apenas alguns minutos ou apenas alguns segundos. Ao mesmo tempo, reage de forma inteligente aplicando regras ou inteligência artificial, para que a ação ideal seja tomada, considerando o contexto de um evento.

ü API-led

As arquiteturas modernas também implementam uma abordagem orientada por API como base da interoperabilidade em complexos ambientes híbridos que abrangem sistemas locais, plataformas em nuvem, soluções SaaS, dispositivos inteligentes e outros. Com as APIs, as conexões podem ser feitas e refeitas rapidamente em todo o ecossistema digital, para que a empresa funcione mais rapidamente, adapte os serviços digitais rapidamente para atender às condições de negócios em evolução para criar experiências perfeitas para seus clientes.

ü Plataforma aberta

Finalmente, uma arquitetura moderna é construída em uma plataforma aberta. As empresas líderes sabem que as abordagens mais inovadoras em arquiteturas digitais não se originam apenas dentro dos muros de uma empresa, mas são inspiradas por uma comunidade global de desenvolvedores. Assim, os principais elementos que formam a arquitetura moderna surgiram da comunidade de código aberto, incluindo Kubernetes para orquestração de microsserviços, o Apache Kafka para processamento de fluxo de eventos e o Project Flogo para o desenvolvimento visual de aplicativos orientados a eventos.

Kevin Larsen, gerente de marketing de produto da TIBCO Software…

Deixe seu comentário