Publicidade
Início Blogueria Transformação da América Latina: como bancos estatais vêm contribuindo para a inclusão...

Transformação da América Latina: como bancos estatais vêm contribuindo para a inclusão financeira

0
Publicidade

A digitalização ganhou protagonismo na maioria dos setores por conta dos desafios trazidos pela pandemia. O setor financeiro na América Latina não foi uma exceção, pois passou por uma transformação exponencialmente rápida. Segundo estimativas da Americas Market Intelligence, a população bancarizada na região cresceu 24% desde o início da pandemia, passando adiante do setor não bancarizado.

Segundo uma análise da Capco, consultoria global de tecnologia e gestão dedicada ao setor de serviços financeiros, no Brasil, em 2017, o total de desbancarizados era de 30%. Em 2021, 84% dos adultos no Brasil tinham uma conta bancária para fazer suas transações, o que significa que o índice caiu para 16%. Muito desse avanço se deve às demandas trazidas pela pandemia – em 2020, o número de brasileiros sem conta em bancos ou fintechs diminuiu 73%. Este último dado é do estudo “Aceleração da inclusão financeira durante a pandemia da covid-19”, realizado pela Americas Market Intelligence em parceria com a Mastercard.

No entanto, parte dessa redução pode também ser atribuída aos investimentos realizados pelas instituições financeiras tradicionais em tecnologia. Vimos novos progressos tecnológicos que os bancos começaram a implementar para tornar seus serviços mais acessíveis aos consumidores. E, se de um lado temos as fintechs utilizando grandes aportes e injeções de capital para ganhar clientes e ajudar a promover a bancarização, de outro vemos instituições tradicionais ampliando sua atuação através de novos serviços e produtos digitais sob a proposta de chegar a grupos anteriormente não atingidos.

Isso tem sido visto em bancos públicos pela América Latina. No Chile, por exemplo, o banco estatal adotou uma arquitetura baseada em nuvem para maximizar seu sistema bancário, permitindo soluções mais rápidas e a capacidade de expandir seus produtos.

Já o Banco de la Nación do Peru (BNP) adotou a plataforma de Engagement Banking digital-first da Backbase para apoiar o lançamento da Cuenta DNI, iniciativa desenvolvida para pagamento de benefícios durante a pandemia, oferecendo uma experiência fácil e sem atritos aos clientes. Este projeto integrou pagamentos virtuais, carteiras digitais e outras tecnologias, dando aos clientes acesso a fundos de auxílio governamental sem precisarem ir a uma agência. Mais de 2 milhões de peruanos se inscreveram no programa desde que o BNP iniciou a parceria com a Backbase. O banco espera abrir 10 milhões de contas DNI para cidadãos elegíveis em 2022 e 12 milhões até o final de 2023. Através da Cuenta DNI, o BNP está ajudando a fechar a brecha da inclusão financeira local.

Mais do que apenas o Chile ou o Peru, governos em toda a América Latina estão se preparando para eliminar o gap entre suas atuações financeira e digital. Por exemplo, através da parceria de seu governo com provedores financeiros, a Colômbia implantou um programa em resposta à pandemia que atingiu 1,2 milhão de beneficiários. Na região, diversas iniciativas públicas/privadas promovem a educação e dão acesso a ferramentas digitais. Em um relatório sobre o estado da transformação digital nos setores públicos de 198 nações, o Banco Mundial reconheceu os países latino-americanos entre alguns dos mais avançados.

No Brasil, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que reúne as instituições financeiras tradicionais, divulgou no fim de 2021 um estudo em que apontou um aumento de 35% no orçamento voltado à inovação no setor bancários nos últimos cinco anos. Subiu de R$ 19 bilhões em 2017 para R$ 25,7 bilhões no ano passado, sendo R$ 8,9 bilhões investidos exclusivamente em tecnologia.

Os bancos tradicionais aceleraram a digitalização de suas operações, criaram cartões e contas digitais, ampliaram seus portfólios de produtos e serviços. O Itaú, por exemplo, incorporou mais de 100 funcionalidades ao seu aplicativo e, com isso, cerca de cinco milhões de clientes evitaram ir às agências, segundo cálculos do próprio banco. A instituição revela que o volume de produtos vendidos em meios digitais, que em 2020 não passava de 30%, superou 60% em agosto de 2021.

Esse movimento é horizontal, e foi visto também nos bancos públicos, especialmente a Caixa, que precisou inovar para fazer o benefício oferecido durante a pandemia chegar à população. Agora, as instituições precisam integrar tudo isso pensando na experiência do cliente. A qualidade dessa experiência também será fundamental para ajudar a diminuir o número de brasileiros desbancarizados.

Às vezes, esta pode parecer uma tarefa monumental, dadas as discrepâncias sociais e o tamanho de barreiras rurais e geográficas. Entretanto, é reconfortante ver os progressos que os países já estão fazendo em suas respectivas regiões.

Oferecer experiências excelentes a clientes em todos os pontos de contato provou ser algo complicado para instituições financeiras, e bancos estatais não são exceção. À medida que o setor bancário evolui, reconhecer o valor de plataformas de engajamento os ajudará a avançar e se aproximar de clientes novos e existentes.

O desafio continuará sendo implementar uma abordagem híbrida na qual gerações acostumadas a dinheiro e a ir pessoalmente a agências tenham acesso a serviços apoiados por soluções digitais. Ao mesmo tempo, os bancos precisarão de novos produtos e ofertas digitais para atrair as próximas gerações. Como o BNP, bancos estatais brasileiros também podem acabar com a divisão da inclusão financeira e oferecer as excelentes experiências que todos os clientes merecem.

Vini Lima, diretor geral da Backbase no Brasil.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile