Publicidade
Início Gestão Infraestrutura TÜV Rheinland passa a testar qualidade dos sistemas Smart Home

TÜV Rheinland passa a testar qualidade dos sistemas Smart Home

0
Publicidade

A TÜV Rheinland acaba de desenvolver sua plataforma própria de Smart Testing, que integra e verifica dispositivos, protocolos, sistemas e interfaces de usuário. Com ela, os fabricantes de sistemas Smart Home podem assegurar permanentemente a qualidade de seus produtos.

O que torna o Smart Home uma ferramenta inteligente é a sua capacidade de se comunicar sem esforço com outros dispositivos no ecossistema doméstico e, muitas vezes, também com a Internet.

Para fornecedores de produtos residenciais inteligentes, isto significa que os seus produtos devem ser fáceis de ligar e funcionar para terem êxito no mercado. “Os usuários querem pressionar o botão ON e o dispositivo deve ser imediatamente integrado ao Smart Home e trabalhar”, explica Volker Adamske, consultor líder na divisão Digital Solutions & Services da TÜV Rheinland.

Para além disso, os dispositivos devem ser compatíveis entre si e falar a mesma língua – ou seja, devem conseguir intercambiar informações. Este princípio tem de ser aplicado agora e no futuro para gerar benefícios sustentáveis aos usuários.  Ao mesmo tempo, a proteção e a segurança de dados são o foco do desenvolvimento dos produtos. “Para os consumidores, é crucial que seus dados pessoais estejam e permaneçam protegidos em todos os aplicativos de smart home”, diz Günter Martin, diretor de tecnologia do Centro de Excelência (CoE) IoT Privacy da TÜV Rheinland.

Smart Testing: uso real em ambiente experimental

O sucesso dos serviços Smart Home depende da interligação dos produtos, serviços e dados por meio de interfaces abertas (APIs) e da nuvem. A complexidade cada vez maior dos sistemas inteligentes apresenta desafios aos fabricantes, porque os sistemas domésticos inteligentes estão sujeitos a processos de mudança permanentes. Novos componentes são incorporados e os existentes são continuamente atualizados.

Além disso, alterações de protocolo e tecnologia podem levar a uma parada total no sistema e a inserção de um novo componente pode mudar totalmente aquele pequeno ecossistema tecnológico. E, mesmo que um dispositivo tenha funcionado de forma estável até o momento e nada tenha sido alterado nele, falhas de segurança ou outros erros podem ocorrer repentinamente porque o ecossistema sofreu alterações.

“Como parte do Smart Testing da TÜV Rheinland, os produtos a serem testados estão continuamente em operação em um ambiente de laboratório que automatiza e simula permanentemente o seu uso real. Semelhante ao uso prático, o respectivo produto é integrado em um ecossistema de diferentes dispositivos e aplicações”, continua Volker Adamske, especialista da TÜV Rheinland. “Com nossa experiência em testes inteligentes e com base em nossos conceitos de Smart Testing, é possível verificar se os aplicativos de IoT funcionam de forma simples, segura e, acima de tudo, interoperável”, complementa.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile