Primeira rodada de negociação salarial termina sem acordo

0
24

A primeira rodada da negociação salarial dos trabalhadores de TI paulistas terminou nesta segunda-feira, 20, sem acordo. Mesmo com projeções de crescimento do setor de TI em 2013 na média dos 8%, os empresários rejeitaram a proposta de reajuste dos salários de 10,09% e ofereceram apenas 5,65%. Outras reivindicações como o aumento do Vale-refeição e a ampliação de Participação nos Lucros e Resultados também ficaram abaixo do pedido feito pelos trabalhadores.

Diante das alterações apresentadas pelo sindicato patronal, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd), Antonio Neto, se recusou a fechar o acordo. Para ele, além de não atender as expectativas da categoria, a proposta não condiz com o momento atual do setor.

"É inadmissível que, ante a um crescimento 5% superior ao crescimento do PIB, os empresários do segmento apresentem um reajuste que praticamente se iguala à inflação. Que não queiram repassar aos trabalhadores parte da expansão do setor que vem acontecendo ano a ano. Não vamos aceitar um acordo que não amplie os direitos e benefícios dos profissionais da categoria e melhore suas condições de trabalho", afirmou Neto.

Das 19 cláusulas com pedidos de análise, apenas cinco foram respondidas pelo sindicado patronal.  Além do reajuste sem aumento real, a proposta apresentada traz alterações em apenas mais dois benefícios. Em relação à PLR, ela amplia a obrigatoriedade de abertura de negociação de PLR para empresas com mais de 35 funcionários – exigência atualmente feita para companhias com mais de 40 -, e para o VR, propõe reajuste de um real, passando de R$12 para R$13.

Outra proposta que questão que desagradou o Sindpd foi a redução da estabilidade pós-férias, que deixaria de ser de 30 dias para 15 dias. "Nós queremos aumentar a estabilidade para que o profissional tenha segurança ao sair de férias. Essa diminuição seria um retrocesso à nossa Convenção Coletiva. Jamais aceitaremos reduzir benefícios já conquistados", reiterou Neto.

Uma nova reunião foi marcada para a próxima quinta-feira, 23, às 14h30.

Resumo da negociação

Principais reivindicações do Sindpd:

– Aumento linear de salário de 10,09%;

– Obrigatoriedade de negociação de PLR para todas as empresas;

– Pagamento de Vale-refeição de R$20 por dia, para trabalhadores com jornada diária acima de oito horas, e de R$15 para jornada inferior a esse período;

– Inclusão de dez novos pisos salariais, abrangendo cargos como aprendiz de função técnica, programadores e analistas de sistemas;

– Assistência médica para o trabalhador e dependente sem qualquer ônus;

– Auxílio Creche – 50% do salário normativo para cada dependente, filho ou enteado, com até 72 meses de idade;

– Jornada de trabalho de 30h semanais para assistentes de apoio ao usuário, operadores de: help desk, call Center, tele atendimento e assemelhados. Além de descanso de 10 minutos a cada 50 minutos trabalhados;

– Estabelecimento de reembolso de 50% para o funcionário que estiver fazendo curso que seja relacionado com seu trabalho dentro da empresa.

 Proposta do Seprosp:

– Reajuste salarial de 5,65%, aplicado também nos pisos salariais;

– Obrigatoriedade de proposta de apresentação de PLR para empresas com mais de 35 empregados;

– Vale-Refeição de R$13,00

Deixe seu comentário