Uma inteligência artificial cada vez mais inteligente e pronta para apoiar as melhores decisões

0

O escritor Isaac Asimov se tornou famoso por seus livros de ficção científica que exploram mundos e cenários hipotéticos onde humanos e robôs inteligentes conviviam graças às três leis da robótica criadas em suas histórias. Com elas, nenhuma máquina poderia ferir uma pessoa, desobedecê-la ou não proteger sua existência. Apesar de toda a aceleração digital nos últimos anos, a sociedade ainda está longe dessa visão futurística. Mas isso não significa que não esteja caminhando para tal. Em 2022, as soluções de inteligência artificial começam a se destacar por serem inteligentes – e prontas para apoiarem e embasarem as melhores decisões de pessoas e empresas.  

Este ano, por exemplo, praticamente metade (48%) dos CIOs (chief informations officer) em todo o mundo admitiu que já implantou ou planeja implantar tecnologias de inteligência artificial e de machine learning, segundo levantamento realizado pelo Gartner. Além disso, o mercado global de soluções dessa área deve movimentar US$ 62,5 bilhões em 2022, um crescimento expressivo de 21,3% em relação a 2021. As categorias mais visadas por esse conceito são gestão do conhecimento, veículos autônomos, espaços de trabalhos digitais e crowdsourcing de dados. 

As pesquisas reforçam que as tecnologias de IA estão em evidência em todo o mundo. Entretanto, é preciso reconhecer que não se tratam de novidades nas organizações. Pelo contrário, diversos projetos já foram desenvolvidos em várias regiões do planeta com resultados promissores – inclusive como forma de combate à pandemia de covid-19. No Brasil, por exemplo, um levantamento da IDC em 2021 já mostrava que um quarto das corporações no país já possuía uma solução desse tipo em suas estruturas, ainda que de forma tímida. Por que, então, esse tipo de tecnologia é apontado somente agora como principal tendência? 

Dois pontos ajudam a compreender esse movimento. O primeiro deles diz respeito à própria maturidade da tecnologia. Como citado, já existem projetos em andamento capazes de fornecer insumos sobre o real potencial da inteligência artificial, e claro, como melhorá-la a partir disso. É um ciclo natural no setor de inovação: as soluções são lançadas ao mercado, seu uso apresenta pontos de melhoria a partir da experiência de seus usuários e ajustes são feitos, garantindo ferramentas mais eficientes e com mais recursos no futuro. Em 2022, esse conceito está em plena maturidade após se desenvolver de forma exponencial e ganhar espaço com a aceleração digital provocada pelo novo coronavírus. 

Isso leva ao segundo tópico: a inteligência artificial está realmente inteligente. Os modelos preditivos e padrões criados pelas melhores ferramentas de IA são capazes de entregar bem mais do que um compilado de dados para o profissional tomar sua decisão. Hoje, esses recursos oferecem contextos, insights, informações complementares, dados históricos e projeções de diversos indicadores para os próximos anos em uma mesma "embalagem". Isto é, o gestor já recebe em mãos todos os insumos para definir sua estratégia de negócio de acordo com os objetivos da organização. Tudo o que ele precisa colocar é justamente a capacidade criativa para formular as melhores medidas a serem tomadas. 

Como se vê, a inteligência artificial só não é capaz de tomar sozinha as melhores decisões para as empresas e profissionais – ainda. Mas já há inteligência suficiente para identificar os melhores dados, e principalmente, traçar os melhores indicadores para cada segmento e/ou objetivo. Podemos ainda estar longe do mundo idealizado por Asimov, mas certamente demos o primeiro passo para isso este ano. A convivência entre humanos e robôs inteligentes já começou. 

Matheus Sesso Gay, Auto ML & Time-Series Lead na 4intelligence. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui