Einstein conscientiza população sobre o novo coronavírus por meio da Alexa

0
0

Com o propósito de conscientizar a população sobre os cuidados imprescindíveis em relação ao novo coronavírus e também auxiliar na propagação de informações confiáveis, o Hospital Israelita Albert Einstein, em parceria com o Instituto Eldorado, criou uma skill (aplicativo) para a Alexa, serviço de voz da Amazon, para compartilhar conteúdos da Covid-19. Todo o material já disponível no FAQ Covid-19, em uma área exclusiva ao tema no blog Vida Saudável do Einstein, está acessível na skill Perguntas coronavirus.

A iniciativa reforça o compromisso do Einstein em disseminar conhecimento de saúde, sobretudo neste momento em que a conscientização e o engajamento individuais são primordiais para o enfrentamento coletivo da pandemia. Além disso, é mais um instrumento contra as notícias falsas, uma vez que as respostas contam com o embasamento científico dos profissionais do Hospital Israelita Albert Einstein em alinhamento aos órgãos nacionais e internacionais de saúde.

Para saber mais sobre a Covid-19 basta falar "Alexa, abrir Perguntas coronavírus". A Alexa pode ser usada por qualquer pessoa com o aplicativo Alexa em um smartphone, na família de smart speakers Amazon Echo – Echo Dot, Echo, Echo Show 5 e Echo Show 8 – ou em uma variedade de dispositivos, incluindo smart speakers, fones de ouvido, Smart TVs, entre outros, que possuem integração com Alexa.

Para democratizar o acesso à informação de qualidade sobre saúde no país, o Einstein utiliza os mais diversos canais de comunicação, como o blog Vida Saudável, podcasts, redes sociais e lives no Instagram e no YouTube. Com isso, a proposta da organização é educar e empoderar a população, garantindo conteúdo confiável abrangendo o maior número de pessoas possível.

Todo o desenvolvimento técnico de transformar o conteúdo da FAQ Covid-19 do blog Vida Saudável do Einstein para a habilidade de voz da Alexa foi realizado, de forma voluntária, pelo Instituto Eldorado, organização de tecnologia e pesquisa sem fins lucrativos.

Deixe seu comentário