Novo modelo de negócios para futuro dos bancos exige colaboração, diz Capgemini

0
19

"A transformação progressiva do core banking possibilitada pela mudança para modelos baseados em plataforma pode ajudar os bancos a tomar medidas rápidas para melhorar a inovação, o crescimento, os lucros e a eficiência operacional", a opinião é de Gloria Guimaraes, vice-presidente da área de finanças da Capgemini Brasil, ao analisar o World Retail Banking Report 2020, publicado pela Capgemini e Efma.

"Enquanto o ambiente pandêmico está levando os consumidores a interagir mais digitalmente com seus bancos, os modelos baseados em plataforma oferecem agilidade e escalabilidade em tempos de incerteza. O legado é uma coisa importante, mas no passado criou torres sem integração, como área de conta corrente, de cartão, de cobrança, seguro, etc. Agora é diferente, todas as aplicações devem ser integradas, o uso de Inteligência Artificial deve acompanhar a trilha do cliente e a instituição deve oferecer o que ele vai consumir", explica.

Segundo o relatório, os bancos baseados em plataforma acreditam ser até duas vezes mais fácil aumentar os lucros operacionais, desbloquear novas fontes de valor e melhorar a eficiência operacional.

Com a abertura do Open Bank no Brasil a executiva vê uma grande oportunidade para instituições que adotarem solução de plataformização em atender uma grande parte da população de desbancarizados, que estão sendo assediados por um grande número de fintechs e banco digitais e aplicativos, como o recém lançado WhatsApp Pay, onde transações P2P nem passam pelo sistema bancário.

Glória diz que existe um grande mercado para todos, mas acredita que o sucesso vai ser a colaboração entre instituições, para que cada uma delas possa agregar aplicativos já existentes, sem que haja necessidade de desenvolvê-lo do zero, mesmo que ha1ja uma dúvida sobre em relação a esse modelo no quesito segurança. "Acredito no modelo de colaboração com habilitador para os negócios", enfatizou.

O relatório World Retail Banking Report 2020

O relatório World Retail Banking Report 2020 revela que o setor financeiro global está no meio de uma transformação histórica com os players não tradicionais ágeis e nativos digitalmente que continuam a defender a experiência do cliente e redefinir princípios antigos para obter tração significativa no mercado. Com mais da metade (57%) dos consumidores agora preferindo o Internet Banking, acima dos 49% anteriores ao COVID-19, e 55% preferindo aplicativos de banco móveis, em comparação com 47% anteriormente, as apostas aumentaram ainda mais com o contexto do COVID-19 que continua a levar os consumidores para o banco digital.

Embora o COVID-19 tenha acelerado a urgência da transformação digital, os bancos podem precisar adotar uma abordagem mais pragmática da transformação para seguir sua jornada em direção ao Open X, de acordo com esses tempos incertos.

"Os consumidores esperam uma experiência digital contínua de seus provedores financeiros, à medida que crescem acostumados as BigTechs em outras áreas de suas vidas. Os bancos tradicionais estão sendo desafiados a cumprir essas expectativas, uma vez que os novos participantes digitalmente nativos se concentram na experiência do cliente desde o dia um", diz Anirban Bose, CEO de Financial Services da Capgemini e membro do Conselho Executivo do Grupo. "Os bancos que investem agora na modernização de sua tecnologia principal e desenvolvem seus negócios baseados em plataformas terão uma experiência que encantará simultaneamente os clientes e ajudará no aumento da lucratividade". 

"O COVID-19 destacou a experiência do banco digital", diz John Berry, CEO da Efma. "A modernização dos sistemas legados deve ser priorizada pelos bancos que buscam acelerar seu crescimento à medida que as expectativas dos clientes aumentam, e as que negligenciam esse risco ficam para trás".

A evolução dos sistemas legados transformará o Core

Tendo priorizado os lucros a curto prazo e a sustentabilidade a longo prazo, alguns bancos acumulam sistemas legados em funcionamento. Essa situação torna um desafio integrar tecnologias emergentes, que estão afetando a experiência do cliente e a excelência operacional. No entanto, apesar dos sistemas legados trazerem desafios e as vantagens de um núcleo moderno, os bancos relutam em tomar ações transformadoras devido aos níveis de recursos necessários e aos riscos associados à implementação ineficiente.

Os executivos do banco reconhecem os obstáculos à mudança para um modelo de plataforma. O relatório constatou que 80% dos executivos de bancos citaram questões de segurança cibernética e privacidade, gerenciamento de dados desatualizados (68%) e a identificação dos parceiros certos (73%) como barreiras primárias à mudança para um sistema de plataforma.

Parceria e Open X são os principais ingredientes para a transformação

O relatório da Capgemini descreve como os bancos podem superar seus desafios e abordar os principais bancos na transformação por meio da orquestração estratégica, integrada e colaborativa. A pesquisa mostra que a modernização progressiva é o método de evolução preferido (54%) entre os executivos do banco, permitindo que as instituições atualizem as funções mais críticas e transformem de maneira incremental os sistemas legados.

A parceria também é um claro acelerador para o sucesso dos bancos. Dois terços (66%) dos executivos de bancos dizem que são necessários de um a 2 anos para inovar e lançar um novo conceito quando se trabalha sozinho; porém 58% relataram que leva menos de um ano para lançar um produto em colaboração com os parceiros FinTechs/BigTech. Problemas de regulamentação e conformidade (72%) e baixa compatibilidade de TI (72%), no entanto, são identificados como barreiras à colaboração eficaz. O modelo Open X atua no auxílio aos bancos na diminuição dos custos operacionais e a passar de um alto investimento fixo no desenvolvimento de TI para uma solução mais econômica e flexível com um modelo de custos que incorpora atores especializados no ecossistema.

Modelos de plataforma diversificam fontes de receita e criam um novo ecossistema digital

Os bancos que adotam modelos de plataforma podem expandir seu alcance de mercado, melhorar a eficiência operacional, aumentar a lucratividade dos negócios e oferecer produtos e serviços diferenciados e mais personalizados que seus concorrentes tradicionais. Ao mudar para um modelo baseado em plataforma, os bancos experimentaram um crescimento incremental da base de clientes e puderam criar novos modelos de negócios para monetizar alguns de seus pontos fortes.

O relatório descreve três opções principais para a transformação em um modelo baseado em plataforma: os bancos podem adquirir e integrar uma nova plataforma, construir a sua própria ou compartilhe plataformas prontas para uso. As barreiras para um modelo baseado em plataforma incluem segurança, sistemas bancários básicos herdados, gerenciamento de dados desatualizado, cultura inerente de aversão ao risco, identificação dos parceiros certos e restrições orçamentárias.

Metodologia do Relatório

O Relatório do Banco Mundial de Varejo 2020 baseia-se em informações de pesquisa da Pesquisa de Executivos do Banco Global de Varejo de 2020, entrevistas com executivos e o Índice Capgemini Open X Readiness. O relatório inclui informações de entrevistas e pesquisas com mais de 80 executivos seniores dos principais bancos de todas as regiões.

Deixe seu comentário