Apple processa empresa israelense de software

0
7

A Apple abriu na terça-feira, 23, um processo contra o Grupo israelense NSO e sua empresa controladora, Q Cyber, no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Norte da Califórnia em San Jose, EUA. Em sua ação, a Apple disse que os produtos e serviços da NSO são usados para atingir indivíduos, "incluindo funcionários do governo, jornalistas, empresários, ativistas, acadêmicos e até cidadãos americanos" para benefício comercial da empresa. 

"Eles projetam, desenvolvem, vendem, distribuem, implantam, operam e mantêm produtos e serviços de malware e spyware ofensivos e destrutivos que têm sido usados para visar, atacar e prejudicar usuários e produtos Apple", disse a Apple, em seu termo, pedido que uma liminar permanente seja emitida para impedir a NSO de usar software, serviços ou dispositivos da Apple. 

Em uma declaração separada , Craig Federighi, vice-presidente sênior de engenharia de software da Apple, disse que a empresa fabrica "o hardware de consumidor mais seguro do mercado". No entanto, Federighi disse que as empresas que estão desenvolvendo spyware patrocinado pelo estado levaram a Apple a tomar medidas legais para evitar mais ataques cibernéticos a indivíduos. 

"Embora essas ameaças à segurança cibernética afetem apenas um número muito pequeno de nossos clientes, levamos muito a sério qualquer ataque a nossos usuários", disse Federighi. "E estamos trabalhando constantemente para fortalecer as proteções de segurança e privacidade no iOS para manter todos os nossos usuários seguros." 

A Apple disse que alertaria qualquer usuário do iPhone que poderia ter sido atacado com um tipo de software chamado Forcedentry. 

De acordo com a Apple, os invasores usaram esse software  criar IDs da Apple que foram usados para enviar dados maliciosos para o iPhone de uma pessoa. A Apple disse que "isso permitiu que a NSO, ou seus clientes, instalassem um tipo de spyware chamado Pegasus no telefone de uma pessoa sem o seu conhecimento". 

A empresa disse que seus próprios servidores não foram hackeados nem comprometidos durante os ataques. 

Deixe seu comentário