Publicidade
Início Notícias Comunicações Em Davos, presidente da Telefónica defende digitalização como forma de promover a...

Em Davos, presidente da Telefónica defende digitalização como forma de promover a transição verde

0
Publicidade

O presidente da Telefónica, José María Álvarez-Pallete, destacou durante seu discurso no Fórum Econômico de Davos, onde participou nesta terça-feira (24) de um painel intitulado ‘Desbloquear a inovação digital para alcançar emissões líquidas zero’, que “verde e as transições digitais andam de mãos dadas” e que, portanto, “sem digitalização não há transição verde”. Ele ressaltou o papel crucial desempenhado pelo setor de telecomunicações, que tem o poder de transformar outras indústrias para que avancem em eficiência energética.

“Sempre fomos parte da solução”, afirmou, apontando o fato de que a indústria de telecomunicações tem potencial para ajudar outros setores a reduzir em 10 vezes as emissões de gases de efeito estufa. Precisamente por essa contribuição, é também essencial que as infraestruturas de telecomunicações sejam reconhecidas como investimentos sustentáveis por todos os intervenientes e devidamente representadas na taxonomia europeia das atividades sustentáveis.

Neste contexto, a Telefónica é pioneira no segmento de financiamento sustentável. Em 2019 a empresa lançou o primeiro título verde do setor, em 2020 emitiu o primeiro título híbrido verde e em 2021 colocou o primeiro título híbrido sustentável do setor. Além disso, já atingiu mais de 10.000 milhões de euros em financiamento ESG.

Para progredir nesse processo, ele reivindicou “mecanismos políticos e regulatórios fortes para continuar desenvolvendo planos de descarbonização baseados na digitalização”. “É nossa responsabilidade coletiva estender os benefícios da digitalização a todos os setores e, em particular, às PMEs para acelerar o efeito multiplicador da tecnologia para descarbonizar a economia. Se fizermos bem, trará benefícios importantes para a sociedade”, defendeu em Davos. “Não há transição energética sem digitalização”, reforçou.

O presidente da Telefónica também destacou que “as infraestruturas inteligentes são a espinha dorsal da transição verde, um fator de mudança para alcançar uma economia de emissões líquidas zero”. Precisamente, indicou que as tecnologias e serviços digitais têm a capacidade de reduzir as emissões globais entre 15% e 35% até 2030.

Objetivos específicos e ambiciosos integrados na estratégia

Além dos marcos alcançados no financiamento sustentável, Álvarez-Pallete também destacou que a sustentabilidade é parte essencial da estratégia e do negócio da empresa: “Somos pioneiros na abordagem da transição energética e digital. A sustentabilidade está no centro de quem somos e do que fazemos.”

“Na Telefónica lideramos pelo exemplo. Temos uma longa história de descarbonização de nossas próprias operações e nossa cadeia de valor e desenvolvimento de tecnologias inteligentes. Nos posicionamos como uma das empresas líderes em sustentabilidade e referência em gestão ambiental, fazendo parte do ‘A List’ do CDP há oito anos”, argumentou.

Essas conquistas são apoiadas por objetivos concretos e ambiciosos. A Telefónica planeja alcançar emissões líquidas zero em seus principais mercados, em 2025 e em todos os países em que está presente em 2040, bem como em sua cadeia de valor. Em 2021, já conseguiu reduzir as suas próprias emissões em 70%.

Ao mesmo tempo, a empresa continua a transformar suas redes enquanto desliga seu legado, abandonando o cobre e acelerando a implantação de fibra e 5G: a primeira é 85% mais eficiente que o cobre e o último, 90% mais eficiente que o 4G. Desde 2019, a Telefónica utiliza exclusivamente energia renovável em seus principais mercados, e o Grupo também está transformando seu modelo de operação e 80% dos processos já estão digitalizados. Esses avanços permitiram que a empresa reduzisse o consumo de energia em 7% nos últimos seis anos, enquanto multiplicou seu tráfego por sete no mesmo período.

Brasil

No Brasil, a Vivo, marca do grupo Telefônica no país, é neutra em carbono desde 2019, com investimento em créditos de projetos que promovem o manejo sustentável e evitam o desmatamento da Floresta Amazônica. Com metas ambientais voltadas à redução de emissões, uso de energia renovável e energia consumida por volume de dados trafegados na sua rede, a Vivo já reduziu em 76% suas emissões entre 2015 e 2021, alavancada principalmente pelo uso de energia 100% renovável em suas operações.

Em 2021, a empresa apresentou redução de 19% em suas emissões diretas de CO2 em 2021. Para isso, adotou medidas que contribuíram para a otimização de insumos que mantêm sua operação e estruturas técnicas, como maior eficiência na frota de veículos e nas recargas de gases refrigerantes em equipamentos de ar condicionado. Por meio do Programa Carbono na Cadeia de Fornecedores, a empresa também vem mobilizando seus fornecedores estratégicos, com meta alcançar zero emissões líquidas até 2040, no escopo 3.

ESG FORUM 

A TI INSIDE promove dias 10 e 11 de agosto, no período da manhã, no formato virtual, a 2a edição do ESG FORUM, onde serão debatidos todos os temas relativos à agenda ESG. Anote no seu calendário. As inscrições são gratuitas. Mais informações em  www.esgforum.com.br 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile