Publicidade
Início Newsletter (TI Inside) Senadores pedem adiamento de votação do PL das fake news

Senadores pedem adiamento de votação do PL das fake news

0
Publicidade

O presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, confirmou que o projeto de lei de combate às notícias falsas (PL 2.630/2020) será votado nesta quinta-feira, 25. O projeto ainda não tem um texto final, que deverá ser apresentado na véspera pelo relator, senador Angelo Coronel (PSD-BA).

Ele afirmou que a votação fará da quinta-feira “um dia histórico” para o Congresso Nacional e para a sociedade brasileira. “Votaremos este projeto que vai nortear as mídias sociais, colocando um freio de arrumação nas agressões, ameaças, violências e ofensas que milhões de brasileiros sofrem nas redes. Estamos construindo uma proposta que possa conciliar a liberdade de expressão, mas, acima de tudo, preservar a integridade dos brasileiros “.

A votação do PL 2.630 enfrenta resistência de parte dos parlamentares. Nesta terça-feira, 23, o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) apresentou requerimento pedindo o adiamento da votação do projeto. Nas redes sociais, outros senadores apoiaram a ideia, argumentando que o tema precisa de mais discussão.

Abranet se manifesta em nota oficial

A Associação Brasileira de Internet – ABRANET em nota oficial diz que “o referido Projeto nasceu com um propósito louvável: criar mecanismos jurídicos para combater a desinformação online. O tema tem importância global, tendo em vista sua relevância para o futuro das democracias e para o ecossistema de internet no Brasil e no mundo. A ABRANET e suas associadas se somam ao autor e a todos os parlamentares que entendem que o assunto merece resposta adequada, equilibrando direitos e deveres de todos os envolvidos.

Contudo, e exatamente pela relevância do assunto, a ABRANET e suas associadas veem com apreensão a notícia de que a Presidência do Senado confirmou a manutenção da votação do projeto para amanhã, dia 25 de junho de 2020. Isso, porque a menos de 24 horas da sessão legislativa não há sequer indicação do texto do relatório final que irá efetivamente à votação.

A ABRANET e suas associadas entendem que o debate sobre o tema e, especialmente, sobre o texto a ser apreciado pelo Congresso Nacional, precisa ser aprofundado e ampliado, de forma a garantir uma resposta equilibrada, que combata a desinformação, mas não viole direitos fundamentais, nem ameace a inovação e o desenvolvimento tecnológico. É fundamental que parlamentares, empresas do setor e sociedade civil tenham tempo hábil para analisar e discutir a proposta a ser apresentada, colaborando para construir o melhor texto possível.

Tal demanda já seria válida em qualquer cenário legislativo que preze pela participação e transparência. No entanto, ela é especialmente crucial diante do procedimento legislativo especial e abreviado que o Congresso adotou por conta da pandemia, no qual foram suprimidas etapas essenciais para amadurecer um debate com essa complexidade, tais como audiências públicas e apreciação pelas comissões permanentes.

Se é verdade que a votação do projeto já foi adiada anteriormente, a falta de clareza sobre a proposta a ser apreciada deveria impedir a votação imediata do Projeto. Em resumo: é inviável votar um texto de tamanha relevância sem que se conheça previamente seu conteúdo real e seja possível debatê-lo.

O combate à desinformação online é assunto complexo para o qual não existem soluções simples. Justamente por isso, embora muitas democracias ao redor do mundo estejam debatendo medidas com esse intuito, pouco países já adotaram uma legislação específica a esse respeito. É preciso garantir um debate amplo, claro e transparente, que assegure a participação dos diversos atores envolvidos e que considere as várias dimensões do problema.

Por todo o exposto, a ABRANET solicita ao Senador Davi Alcolumbre, presidente da Casa, ao Senador Angelo Coronel, relator do projeto, ao Senador Alessandro Vieira, autor do projeto, e a todos os demais senadores, que posterguem a apreciação do PLS 2630/20 e promovam os debates necessários a uma proposta dessa magnitude, o que pode incluir a realização de audiências públicas virtuais, de forma a assegurar o devido amadurecimento e aprimoramento do Projeto.

Com discussão ampla, cuidadosa e transparente, o texto da futura Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet certamente chegará a bom termo. Equilibrada, a proposta a ser aprovada poderá se somar ao Marco Civil da Internet e à Lei Geral de Proteção de Dados no rol de normas brasileiras do setor de tecnologia admiradas mundialmente.” Com informações da Agência Senado.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

Sair da versão mobile