Plataformas para instituições públicas e o cidadão digital

0
21

Modelos de negócio de plataforma estão crescendo e se tornando maiores e mais poderosos do que nunca. Basta olhar para empresas como Amazon, Facebook, na Uber, na Airbnb, ambientes digitais onde produtores e consumidores podem entrar em contato, promovendo interações que criam valor para ambas as partes.  O modelo de plataforma é um conceito que muitos "unicórnios" usam como base de seus negócios. Essas empresas são inovadoras, alavancando os efeitos das redes e um custo de escala de quase zero para vencer a concorrência ou definir novos mercados.

As melhores plataformas fazem mais do que criar um espaço para conexões. Elas reconhecem o valor de seus próprios dados, reunindo-os continuamente, e aproveitam o aprendizado de máquina para melhorar a experiência do cliente. Se você olhar para o mundo das empresas de plataforma, logo descobrirá que o uso de IA para curadoria é uma característica das plataformas de desempenho superior, como é o caso da Netflix, ela usa o aprendizado de máquina para fazer recomendações personalizadas que reduzem a rotatividade, mantendo os clientes satisfeitos e até reduzindo os custos.

Governo como plataforma

O governo como plataforma é a base que permite organizações governamentais e não governamentais fornecer serviços públicos de próxima geração. Governo atua como intermediário – orquestrando participantes, facilitando a colaboração, conectando pessoas e provedores de serviços e, em última instância, supervisionando modelos de entrega que vão além do que pode até imaginar hoje.

A ascensão do governo como plataforma significa que a prestação de serviços do governo enfrentará interesse de organizações sem precedente, que procuram inventar novas abordagens para servir o público. Isto propõe a ideia de que o governo deve construir uma infraestrutura informacional que permita a qualquer cidadão reutilizar suas informações para construir novas aplicações úteis para a sociedade.

De acordo com Tim O'Reilly, CEO da O'Reilly Media, Inc., para que os dados públicos possam beneficiar da mesma inovação e dinamismo que caracterizam o uso da Internet pelas partes privadas, a federação governo deve repensar seu papel como provedor de informações. Em vez do que lutar, como atualmente, para projetar sites que atendam a cada necessidade do usuário, ele deve se concentrar na criação de um acesso simples, confiável e público. Infra-estrutura que "expõe" os dados subjacentes. Atores privados, seja sem fins lucrativos ou comercial, são mais adequados para informação aos cidadãos e pode constantemente criar e reformular as ferramentas os indivíduos usam para encontrar e alavancar dados públicos.

A melhor maneira de garantir que as partes privadas compitam em igualdade de condições é exigir que os sites federais usem os mesmos sistemas abertos para acessar os dados subjacentes como eles disponibilizam ao público em geral. As instituições não precisam desenvolver todos os serviços que são possíveis. Ao se colocar como uma, ou várias plataformas, disponibilizando dados, APIs e definindo padrões abertos de comunicação, é possível fomentar um campo imenso de inovação.

Serviços governamentais sem governo?

Os serviços públicos nem sempre têm que ser produzidos por agências governamentais. Na era digital, o setor privado, ONGs, cidadãos e até máquinas pode produzir serviços públicos – geralmente mais rápidos, mais orgânicos e com melhores experiências de usuário do que o próprio governo.

Este governo como uma plataforma aproxima oportunidades únicas. Agências governamentais são administradores de uma riqueza de dados que, com os corretos controles de segurança e privacidade, podem proporcionar melhores prestações de serviços, resultados de missões e desenvolvimento comercial e econômico. Plataformas podem ajudar as agências a lidar com restrições de recursos a partir de uma força de trabalho em envelhecimento e alocar os trabalhadores para maior valor tarefas.

De acordo com a pesquisa da Accenture Technology Vision 2017, 68% dos executivos de serviços públicos entrevistados acreditam que os ecossistemas digitais já estão causando um impacto perceptível ou vão transformar dramaticamente o setor. As plataformas mais eficazes são projetadas em torno de metas específicas, necessidades situacionais e capacidades atuais – e as agências têm opções. Aqui estão dois modelos de plataforma com diferentes canais de comunicação e ecossistemas para a prestação de serviços públicos:

Em 2009 o presidente Obama assinou o Memorando sobre Transparência e Governo Aberto, dando início a uma nova era de governo aberto e responsável, destinada a preencher a lacuna entre o povo americano e seu governo. Segundo discursou Obama, "Minha Administração está comprometida em criar um nível de abertura sem precedentes no governo. Trabalharemos juntos para garantir a confiança do público e estabelecer um sistema de transparência, participação pública e colaboração."

O Portal GOV-UK funciona como um ponto de contato para unificar conteúdo de centenas de sites de agências, departamentos e ministérios do governo britânico. O Gov.UK coloca todas as informações no mesmo lugar e facilita a vida das pessoas, que não precisam conhecer toda a estrutura governamental para ter uma questão respondida.

Resumindo, o que nós precisamos fazer é não apenas criar serviços, mas desenvolver plataformas inteligentes sobre esses serviços.

Ademir Milton Piccoli, advogado evangelizador do uso intensivo de tecnologia no segmento Jurídico, atuando a mais de 15 anos no mercado de tecnologia com experiência nos setores público e privado.

Deixe seu comentário