Facebook permitirá imagens chocantes com valor informativo e que sejam de interesse público

0
0

O Facebook anunciou que vai permitir a publicação de imagens mais explícitas e chocantes, desde que tenham valor informativo e sejam de interesse público.

"Nas próximas semanas, começaremos a permitir que mais itens que as pessoas acham interessantes, significativos ou importantes para o interesse público, mesmo que possam violar as nossas normas", disseram dois vice-presidentes da empresa, Joel Kaplan e Justin Osofsky, em um comunicado. "Temos a intenção de permitir mais imagens e relatos, mas sem que representem um risco para a segurança ou exposição para menores e gente que não deseje vê-las."

A decisão foi tomada depois de repetidas críticas de empresas de mídia, instituições de caridade e outras após a retirada de imagens importantes do site, sem aviso prévio ou a possibilidade de recurso. A empresa tem enfrentado tais críticas por anos, mas eles se tornaram mais intensas nos últimos dois meses depois que o Facebook apagou da rede a famosa foto de uma menina vietnamita nua correndo por uma estrada após ter sido ferida em um ataque com napalm à sua vila, em 1972, do fotógrafo Nick Ut, ganhadora do prêmio Pulitzer.

A controvérsia começou quando o Facebook, devido às suas regras sobre nudez, removeu essa foto do perfil do escritor de livros de suspense Tom Egeland. O jornal norueguês Aftenposten se uniu ao escritor e publicou a foto em sua página do Facebook, que também foi censurada, o que levou o editor chefe do jornal norueguês acusar Facebook chefe Mark Zuckerberg de censura.

Um mês depois, a rede social removeu o link de um post de uma notícia do Le Monde sobre câncer de mama porque foi ilustrada com a imagem de uma mamografia em que mamilo da mulher era visível. Depois das reclamações, o Facebook reinseriu a imagem e emitiu um pedido de desculpas a Swedish Cancer Society, mas ressaltou: "O seu anúncio não pode comercializar produtos ou serviços de sexo, nem produtos ou serviços adultos".

A Swedish Cancer Society reenviou o vídeo — um desenho animado, em que os "seios" eram representados apenas com círculos concêntricos cor-de-rosa — com as imagens editadas para representar os seios como quadrados rosa concêntricos. Esse vídeo não foi removido, e o Facebook mais tarde pediu desculpas, dizendo ao jornal britânico Guardian: "Nós estamos muito triste, nossa equipe processa milhões de imagens publicitárias a cada semana, e em alguns casos nós incorretamente proibimos os anúncios. Esta imagem não viola nossas políticas de anúncios. Pedimos desculpas pelo erro e ter deixado o anunciante sabe que estão aprovando seus anúncios".

Deixe seu comentário