Metodologias DevOps geram crescimento no faturamento das empresas brasileiras

0
48

Ao associar metodologias de desenvolvimento DevOps, as empresas brasileiras tiveram um crescimento no faturamento de 29%, superando a média mundial de 19%. A informação faz parte da pesquisa feita pela empresa britânica Vanson Bourne, com 1.425 executivos de TI em 15 países diferentes, e divulgada nessa quinta-feira, 26, pela CA Technologies, ressaltando que essas tecnologias são essenciais para a transformação das companhias em empresas digitais.

Segundo explica Laércio Albuquerque, presidente da empresa para a América Latina, "o desenvolvimento de aplicações mudou a vidas das corporações e do consumidor digital. As empresas que estão investindo nessa transformação digital tiveram um crescimento de faturamento de 106%; de 68% na lucratividade e de realização de novos negócios em 50%".

"Todas as empresas de qualquer segmento agora estão no negócio de software, investindo na transformação de como o cliente compra mais rápido e como se entrega mais rápido. Elas estão buscando menor time to market, diminuição de custos e incremento da qualidade. Fazer mais com menos, por isso da importância de se adotar ferramentas que cumpram esse objetivo", acrescenta.

A pesquisa mostra que para 78% dos entrevistados brasileiros, o maior ganho com a adoção de práticas DevOps foi o aumento na frequência de lançamentos de softwares, seguido pela redução no tempo gasto com manutenção e correção de aplicativos (71%) e a diminuição do time-to-market, em 70%. "O DevOps não é um produto nem uma tecnologia em particular. Ele é uma metodologia que pretende integrar as funções normalmente isoladas das equipes de desenvolvimento (Dev) e de operações (Ops) e um único e contínuo processo", explica o diretor de Soluções da CA Technologies para América Latina, Rodrigo Bernardinelli. "O que vemos em nossa pesquisa é que esse conceito já convenceu as empresas brasileiras, que entendem seus benefícios e agora se preparam para implementá-las em suas áreas de TI".

A pesquisa mostra ainda que a adesão das empresas brasileiras ao DevOps supera em muito a média global. Enquanto no mundo 24% das companhias já adotaram o conceito, no Brasil o índice é de 73%. Aqui, 21% pretendem usar DevOps nos próximos dois anos e 6% em um prazo de três a cinco anos. No mundo, os números são 46% e 18%, respectivamente. Os setores mais afeitos à metodologia são telecom e mídia e entretenimento.

No Brasil, a prioridade na hora de implementar o DevOps é mudar a estrutura organizacional, para 59% dos entrevistados. A ação vem em 5º lugar, com 40% no cenário global. No mundo, a principal preocupação é contratar pessoas qualificadas, com 63%.

As ferramentas consideradas mais críticas para adoção de DevOps, tanto no cenário nacional quanto no internacional, foram o monitoramento de performance de aplicativos e o teste de performance (52%). Os principais motivos citados para buscar a metodologia, no Brasil, foram a melhoria da qualidade e da performance de aplicativos (52%), a necessidade de desenvolvimento simultâneo em várias plataformas (41%) e o aumento da utilização de dispositivos móveis (36%). Os três fatores também aparecem como prioridades no cenário global.

Na prática

A TIM Brasil, por exemplo, é um cliente que adotou a solução CA Lisa e passou a virtualizar serviços, realizar testes e identificar bugs antes da entrada em produção, possibilitando a execução de múltiplos cenários em paralelo e atendimento de projetivos de curto prazo (time to market) com qualidade.

Leonida Auriemma, gerentes de Clientes da TIM Brasil, a migração do sistema de atendimento aos clientes (CRM) da Clarify foi migrado para o Oracle Siebel, sem ocasionar qualquer distúrbio para a operação. "Cerca de 8 mil operadores foram treinados em cerca de um mês, como se fosse aplicações reais, rodando uma ambiente de teste acelerado, em cima de rede simulada". A consultoria do projeto foi feita pela Capgemini. A solução agora também está sendo utilizada para a migração do sistema de billing.

Potencial de mercado

A IDC estima que as ferramentas dentro da categoria de "Development & Deployment" para a terceira plataforma (mobile) possam representar um mercado de US$ 1,344 milhão em 2018 no Brasil. As ferramentas de Software Defined chegarão das US$ 411 milhões já em 2015.

Para Luciano Ramos, coordenador de Pesquisa de Software da IDC, a metodologia classificada como DevOps vai acelerar as mudanças de arquitetura de aplicações para o avanço das 3ª plataforma. "As empresas precisam investir na capacitação e desenvolvimento dos profissionais envolvidos (desenvolvedores, arquitetos, designers de interface e testers) e introduzir a cultura DevOps nas corporações".

A pesquisa ouviu 1.425 executivos e líderes de TI em 15 países: Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Índia, Inglaterra, Itália, Japão, Suíça e Singapura.

Deixe seu comentário