Experiência "sem contato" no mercado de varejo: o novo normal

0
0

Como em qualquer crise, a pandemia da Covid-19 é um catalisador de mudanças. Embora tenhamos visto lojas tradicionais fechando suas portas, o comércio eletrônico está prosperando, tanto em empresas de varejo quanto para seus concorrentes online. A Covid-19 não está apenas ajudando a acelerar a presença dessa modalidade entre os canais de varejo, mas também contribuirá para uma mudança fundamental no comportamento do consumidor.

Está claro que o varejo como conhecemos precisará inovar e conceitos "sem toque" ajudarão as lojas físicas não apenas a defender seu território, mas também a moldar o futuro desse setor.

Alimentos e produtos para uso diário, bem como itens de menor prioridade, são e continuarão sendo um ponto importante para as lojas físicas. No entanto, diante de uma realidade global de pandemia, os consumidores podem adquirir uma atitude mais distanciada em relação às interações tradicionais com esses produtos. É provável que tenham mais consciência de higiene do que nunca, com preocupações sobre a exposição dos produtos ao novo coronavírus ou outros germes.

Maior conscientização sobre higiene? Touchless pode ser a solução!

O aumento da demanda, a escassez de produtos, o tempo mínimo de inventário e a necessidade adicional de distanciamento social realmente pressionaram as lojas de alimentos e o mercado de varejo em todo o mundo. Juntamente com o problema de contaminação e a redução do número de mãos que tocam nos produtos, são despertados os pensamentos sobre como será o "novo normal". Há também uma mudança nas expectativas do consumidor em relação às  lojas autônomas (sem atendentes), entregas de produtos sem contato e pagamento automático sem dinheiro, impulsionando um novo conceito de venda. Com esse panorama à frente, podemos garantir que a tecnologia mudará o futuro.

Esselunga lidera o caminho para as experiências sem toque do futuro…

Sendo uma das maiores e certamente mais inovadoras varejistas da Itália, a Esselunga fez amplo uso da tecnologia RFID em sua nova loja de Milão. Originalmente criada para proporcionar um novo tipo de experiência no varejo, a loja "La Esse" foi concebida como uma vitrine tecnológica, onde todos os produtos são etiquetados com RFID e os clientes podem pagar diretamente de seus smartphones. A loja foi inaugurada em dezembro de 2019 e continua a atender o público desde o início do surto da Covid-19, com comentários muito positivos.

… Enquanto Mishipay oferece pagamentos sem toque para continuar com esta linha

Na loja Esselunga, bem como em locais semelhantes ao redor do mundo, os comerciantes enfrentam a necessidade de inovar soluções de pagamento sem dinheiro e sem contato, como parte de seus conceitos de compra orientados para o futuro. Outra solução notável vem da Mishipay, uma empresa de tecnologia com sede em Londres – e uma parceira da Avery Dennison –, que criou uma tecnologia móvel de check-and-go para facilitar compras sem contato, potencialmente encerrando filas de pagamento.

O "Scan and Go" oferece uma alternativa, fornecendo aos clientes seus próprios meios para digitalizar e pagar com facilidade por seus itens, aproveitando o poder do seu smartphone. Além disso, graças à identificação exclusiva do produto e ao "gêmeo digital" de uma etiqueta RFID, o varejista também colhe os benefícios da visibilidade total no nível do item e dos sistemas antifurto Eletrônicos (EAS), minimizando as perdas.

Sem contato, mas atraente

O interessante é que o toque não precisa afetar a experiência geral do varejo. De fato, poderia melhorá-la, assegurando o cumprimento das regras do distanciamento social. Imagine uma experiência de compra em que você sempre pode encontrar o que procura, onde e quando quiser, e ter a oportunidade de interagir digitalmente para receber conteúdo personalizado, pagar pelo telefone celular e até experimentar roupas virtualmente.

Com consumidores preocupados com a higiene, os varejistas serão forçados a pensar de forma inovadora e oferecer novas maneiras de interagir com os produtos. Veja os produtos de beleza, por exemplo: imagine que, em vez de aplicar um testador de batom antes de fazer uma compra, você pudesse apenas olhar em um espelho de realidade aumentada e ver a cor aplicada digitalmente aos seus lábios em tempo real. As soluções baseadas em RFID criam a base que pode permitir isso e muito mais.

O futuro pertence aos produtos conectados…

Se todos os nossos produtos incluíssem um "gatilho digital", como um código QR ou NFC, haveria a oportunidade de cada item se tornar uma conexão 1:1 entre a marca e o consumidor, e nossos smartphones seriam o portal digital para experiências únicas. Poderíamos ter acesso a informações sobre a origem dos produtos, sugestões e recompensas adicionais. Poderíamos até reordenar um novo produto, sem sair de casa!

… E o conceito "sem contato"

Mesmo que a crescente demanda por experiências sem contato seja, atualmente, alimentada pela pandemia da Covid-19, há sinais de que lojas altamente automatizadas com pedidos de autoatendimento e check-out automático definirão o cenário futuro do varejo.

Francisco Melo, vice-presidente e gerente geral global de Etiquetas Inteligentes da Avery Dennison.

Deixe seu comentário